CBB se diz surpresa com suspensão da Fiba: 'Vamos preservar basquete brasileiro'

Em nota, a Confederação prometeu que irá rebater todas as acusações

Por edsel.britto

Rio - O sentimento de surpresa tomou conta dos dirigentes da Confederação Brasileira de Basquete (CBB) com o comunicado da Fiba, emitido nesta segunda-feira, informando que a entidade nacional está suspensa. Por meio do presidente Carlos Nunes e de sua diretoria, a CBB alega que não tomou conhecimento da possibilidade de suspensão na visita do dirigente José Luis Saez, no início do mês de novembro, ao Brasil.

Em nota, a CBB promete nesta quarta-feira rebater os quatro pontos alegados pela federação internacional e diz que vai "buscar os meios formais e legais para preservar o basquetebol brasileiro" e que "irá pontuar o que de fato acontece no basquete nacional para que a sociedade avalie e forme sua opinião sobre esse episódio".

Na Olimpíada, o Brasil não se classificou à segunda fase nem com homens e nem com as mulheresAndre Mourão/ O DIA / NOPP

A decisão da Fiba foi anunciada depois de uma reunião do Comitê Executivo da entidade, na qual concluiu que, apesar do "apoio e flexibilidade" em "múltiplas ocasiões" antes dos Jogos Olímpicos do Rio-2016, a CBB ainda precisa de "reestruturação". A avaliação também considera que a entidade brasileira não vem cumprindo totalmente com suas obrigações como membro da Fiba.

O Comitê Executivo da Fiba lamenta a situação do basquete brasileiro poucos meses depois da Olimpíada e recomenda que a CBB trabalhe em conjunto com a federação internacional e com a força-tarefa da entidade para que possa superar as sérias dificuldades institucionais, esportivas e financeiras. A situação da CBB será reavaliada em uma reunião marcada para 28 de janeiro de 2017.

Quatro fatores são apontados pela Fiba como determinantes para a suspensão. O primeiro é a ausência em competições internacionais, como um torneio continental de base e Mundiais Sênior 3x3, assim como a falha na organização do World Tour 3x3 no Rio de Janeiro. A federação entende que isso prejudica muitos jogadores, que perdem a possibilidade de se qualificar e jogar internacionalmente nos anos posteriores. Além disso, em nível nacional, campeonatos nacionais juvenis foram cancelados pela CBB.

O segundo problema apontado pela entidade internacional é a "falta total de controle do basquete no País". E exemplifica com o envolvimento de "terceiros" na seleção e no financiamento de atividades do time nacional. A terceira crítica leva em consideração a pendência de pagamentos com a Fiba por um longo período, apesar dos vários pedidos de carência que foram concedidos.

"A situação financeira da CBB não permite o financiamento de suas operações e nem que esteja em dia com suas obrigações em seu País", aponta. Por fim, a Fiba enfatiza o fato de não existir um planejamento de reforma ou reestruturação antes da eleição presidencial, marcada para março de 2017.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia