Catar é acusado de sabotar candidatura de Austrália e EUA para sediar a Copa de 2022

País é denunciado por espalhar informações falsas sobre rivais, segundo jornal britânico

Por O Dia

Estádio Khalifa Internacional, que será usado para o Mundial do Catar, em 2022
Estádio Khalifa Internacional, que será usado para o Mundial do Catar, em 2022 -

Inglaterra - Escolhida para sediar a Copa do Mundo de 2022, o Catar sabotou as candidaturas da Austrália e Estados Unidos segundo o jornal britânico 'The Sunday Times'. O Comitê do país organizou um plano com o intuito de espalhar informações falsas acerca da fraude.

De acordo com o diário, Michael Holtzman, presidente da BLJ Worldwide, empresa contratada para comandar a candidatura do país árabe, enviou um e-mail para Ahmad Nimeh, um dos chefes da campanha Qatar 2022, com o título 'Estratégia'.

"De acordo com os e-mails, eles recrutaram jornalistas, blogueiros e outras figuras para circular histórias negativas, espionar rivais, espalhar notícias inteligentes para pessoas chaves e criar protestos", explica a denúncia.

Além disso, o país ainda teria contratado um professor americano para publicar um estudo sobre o impacto negativo que a Copa do Mundo nos Estados Unidos poderia causar. O Comitê teria pago ao docente 9 mil dólares, cerca de R$33,4 mil. Para sediar um Mundial, é preciso que haja apoio popular do Estado.

Após a publicação da denúncia feita pelo 'The Sunday Times', os qataris negaram qualquer tipo de ilegalidade na campanha.

"O Comitê Supremo rejeita qualquer alegação publicada pelo The Sunday Times. Nós fomos minuciosamente investigados e fornecemos todas as informações relacionadas à nossa campanha. Nós seguimos à risca todas as regras da Fifa no processo de candidatura para sediar a Copa do Mundo de 2022", informou.

Além da Austrália e Estados Unidos, a Inglaterra também foi minimamente prejudicada. O país estava atrás no processo, mas os ingleses pedem um posicionamento da Fifa com relação às acusações. O ministro da Cultura e do Esporte da Inglaterra, Damian Collins, cobrou a averiguação do ocorrido em entrevista à 'Rádio BBC'.

"Isso requer uma investigação independente apropriada, a Fifa deveria deixar claro que isso vai acontecer. Se os qataris quebraram as regras, eles deveriam sofrer sanções", afirmou.

Com o acontecimento, a esperança de sediar a Copa do Mundo de 2022 permanece viva no país europeu. O jornal 'Daily Star' afirmou em sua capa que o país irá ser a próxima sede do Mundial.

"Inglaterra: nós vamos sediar a Copa do Mundo de 2022", declarou o jornal.

Jornal afirma que Inglaterra irá sediar a Copa do Mundo de 2022 - Reprodução

 

Galeria de Fotos

Estádio Khalifa Internacional, que será usado para o Mundial do Catar, em 2022 Reprodução
Jornal afirma que Inglaterra irá sediar a Copa do Mundo de 2022 Reprodução

Últimas de Esporte