Seleção? Que nada! A amarelinha que faz sucesso é a do Tigres do Brasil

Time da Baixada Fluminense marcou goleou por 4 a 1 o 7 de Abril pela Copa Rio

Por O Dia

Rio, 19/06/2019, Especial Futebol Raiz, na foto jogo entre 7 de Julho x Tigres, foto de Gilvan de Souza / Agencia O Dia
Rio, 19/06/2019, Especial Futebol Raiz, na foto jogo entre 7 de Julho x Tigres, foto de Gilvan de Souza / Agencia O Dia -
A amarelinha que faz sucesso em Xerém nada tem a ver com desacreditada seleção brasileira. O dono do pedaço é o Tigres do Brasil, que conquistou os caxienses e começou a Copa Rio com o pé direito — goleada por 4 a 1 no 7 de Abril, em Los Larios—, enquanto a Canarinho decepciona na Copa América.
Na bronca com a Seleção, há até mesmo quem confie mais na garotada do Tigres do que na equipe de Tite, ainda mais depois do empate em 0 a 0 com a Venezuela. É o caso de Jander Alves, 41 anos, que foi ao estádio na companhia de Roosevelt Pontes, Cleonice Alves e Isabelle Pontes.
"Pelo que tenho visto, tem moleque aqui que dá show na seleção brasileira. Aquele jogo de ontem, pelo amor de Deus... Tem moleque do sub-20 do Tigres que daria show lá" , disse Jander, pai de um atleta da categoria sub-17.
VALOR DO INGRESSO
O torcedor que quisesse assistir ao duelo entre 7 de Abril e Tigres não pagar nada, mais um atrativo para entrar no estádio, mais um atrativo para quem acompanha de perto o time da Baixada. Já na Copa América, o valor elevado dos ingressos afasta a torcida dos estádios e esfria a relação do brasileiro com a Seleção. Na estreia contra a Bolívia, por exemplo, o valor do ticket médio foi de R$ 485,00.
 "O preço atrapalha muito. Estava 190 (reais) o mais barato. Como vou chegar lá com quatro pessoas? Não dá. Infelizmente, fizeram a Copa América para rico", reclamou Roosevelt, manauara que passou a torcer pelo Tigres. "Tenho um filho que joga aqui desde o sub 15, então adotei o Tigres como o meu clube. Onde posso acompanhar, eu vou, ainda mais quando tem o clássico da baixada (contra o Nova Iguaçu)".
Ex-jogador das categorias de base do Tigres, Derick Pereira é outro que prefere acompanhar o clube da baixada, já que o bolso não o permite assistir os jogos do torneio continental. "Não tem nem o que falar. Todo mundo que mora no Brasil e não é de classe alta vai concordar comigo: o ingresso é uma facada", disse o morador de Xerém, que foi companheiro de alguns jogadores do time profissional.
A partida contra o 7 de Abril foi a estreia do Tigres do Brasil nesta Copa Rio, pela primeira fase. A duas equipes voltam a se enfrentar na próxima quarta-feira, também em Los Larios. O campeão do torneio terá o direito de escolher entre disputar a Série D do Campeonato Brasileiro ou a Copa do Brasil do ano que vem. O vice ficará com a opção que não for escolhida.

O SONHO COM UMA CONVOCAÇÃO

Se na ausência de Neymar a Seleção não tem quem faça a diferença, o Tigres aposta em um jovem valor que vem se destacando durante os jogos: o atacante Geovane, de 19 anos. Ele foi o autor de dois gols na vitória sobre o 7 de Abril — Leandro Cruz, de pênalti, e Allan marcaram os outros, enquanto Kaique descontou.

Caindo nas graças da torcida do Tigres, a revelação projeta voos mais altos. E já mandou um recado para Tite. "Seleção brasileira é um sonho. Tite pode ficar de olho. Se ele me der uma brecha, daqui a pouco estou lá", disse o jogador.

Agora brilhando nos gramados, Geovane chegou a desistir do futebol, mas ganhou uma oportunidade no time sub-20 do Tigres e, em menos de um ano, subiu para os profissionais. Natural de Iaçu, na Bahia, ele contou com o apoio de um tio (Rogério) para não desistir do sonho de infância.

"Ele iria cortar cabelo (ser cabeleireiro), já estava com a maquininha pronta. Aí, o trouxemos para cá. Mora comigo, estamos dando esse apoio e está correspondendo", contou Rogério.

Geovane (ou 'Baiano', como é conhecido) saiu de casa com apenas 10 anos para jogar em clubes do interior de São Paulo, como Santo André e Inter de Limeira. Também treinou no Fluminense.

Comentários