Revoltado com arbitragem, Seedorf reclama de 'perseguição'

Meia alvinegro fala de faltas não marcadas contra ele e considera excessos de cartões injustiça

Por elisa.souza


Rio - Com 21 anos de carreira profissional no futebol, Seedorf vem enfrentando contínuos problemas com a arbitragem. O camisa 10 do Botafogo falou sobre o assunto, que chega a chamar mesmo de “perseguição”. Segundo ele, a arbitragem falha sucessivamente em marcar faltas sofridas por ele, o que dificulta o andamento seu futebol em campo.

"Espero sinceramente que essa tendência pare rapidamente. Estou muito irritado com a postura dos árbitros quando olham para mim. Tenho percebido nas últimas rodadas que tem sido difícil apitar faltas a meu favor. Nos últimos quatro jogos estou sempre levando inúmeras pancadas sem bola", declarou o meia, sem papas na língua.

Descontente com arbitragem%2C Seedorf solta o verbo e diz que há 'perseguição'André Mourão / Agência O Dia

Seedorf declarou ainda que outro jogador muito conhecido, Ronaldinho Gaúcho, enfrentou a mesma postura que considera injusta por parte dos árbitros. "Me explicaram que com o Ronaldinho foi assim também, mas não existe isso. Ele protege a bola, tenta ficar em pé, mas acaba apanhando também. Jogadores desse nível tem de ser protegidos pela arbitragem", disse.

O holandês já contabiliza cinco cartões amarelos no Brasileirão. Para ele, outro erro.
"Não é só um juiz não, tem uma tendência. Acho que eles deveriam rever esse conceito. Estou recebendo mais amarelos do que em quatro anos que joguei pelo Milan. Por que isso? Quase me machuquei três vezes, mas pulei para me proteger. Não posso nem reclamar que já levo amarelo. Então eu fico quieto, tomando pancada sempre", concluiu, claramente contrariado.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia