Com muita fé, Botafogo busca vitória diante do San Lorenzo

Padre Licinho, que tem paixão pelo Glorioso, lembra que quando Jesus nasceu, foi uma estrela solitária que conduziu os Reis Magos

Por pedro.logato

Rio - Fé não se mensura. Se tem ou não. Com esse pensamento, o Botafogo estreia nesta terça na fase de grupos da Libertadores, às 20h, no Maracanã, contra o San Lorenzo, time de coração do Papa Francisco. Se do lado argentino, a figura mais importante da Igreja Católica irá comandar as orações por vitória, o Alvinegro conta com padre Licinho, que encara o Glorioso como uma religião.

Padre Licinho é torcedor do BotafogoMárcio Mercante / Agência O Dia

“O Botafogo é um time que tem tudo a ver com a fé. Quando Jesus nasceu, foi uma estrela solitária que conduziu os Reis Magos. Jesus numa de suas frases disse: “Eu vim botar fogo na terra”. Por isso, tem um número grande de padres que torce pelo Botafogo. Juntos, vamos tentar equilibrar a força das orações com as do Papa. A estrela do Botafogo pode brilhar mais”, disse o sacerdote da Paróquia São Pedro, em Cavalcanti.

Meio-campo do time de veteranos do Encontro de Casais com Cristo, de Campo Grande, padre Licinho fala de futebol com autoridade. O tema, por sinal, é recorrente nas missas celebradas por ele e o Glorioso sempre é lembrado.

“As missas impedem de eu ir no Maracanã por conta do horário. Vou ter uma às 18h. O pessoal já sabe da minha paixão pelo Botafogo e me traz toalhinhas e lembranças. Com uma partida importante como essa, contra o time do Papa, vou ter que fazer um pedido especial”, revelou.

Engana-se quem pensa que o sacerdote, há 31 anos exercendo a função,está por dentro apenas do Botafogo. Atualizado, Licinho pode servir também como um auxiliar para Eduardo Hungaro no jogo de logo mais.

O padre sabe exatamente como está o panorama do atual campeão argentino e, por isso, prevê equilíbrio no Maracanã.
“Ainda bem que eles também mudaram de técnico e vivem a mesma situação de mudanças de jogadores, o que leva um tempo para a adaptação da equipe”, analisou Licinho.

Em caso de vitória alvinegra, o pároco não acredita ser necessário um pedido de perdão ao Papa Francisco. Se pudesse encontrá-lo depois da partida, Licinho retransmitiria apenas a mensagem que há quase um ano o Santo Padre passa ao fiéis:

“Dias melhores virão. Nem sempre podemos vencer”.

Padre Licinho crê em derrota do time do Papa FranciscoMárcio Mercante / Agência O Dia

Mais pressão sobre Wallyson

Após atuação exuberante na vitória sobre o Deportivo Quito, Wallyson praticamente virou um santo para a torcida. Com três gols no primeiro jogo, a expectativa é que o atacante mantenha o desempenho. Padre Licinho se mostrou preocupado com uma possível pressão exagerada em cima do jogador.

“Ele praticamente foi canonizado(risos). O problema é que a torcida agora vai cobrar uma atuação igual em todas as partidas. Tem que ter paciência”, disse o padre, que cobrou mais participação de Ferreyra no ataque. “Ele precisa aparecer para ajudar”, finalizou.

Torcida mantêm opções para festa

A festa da última quarta-feira foi apenas a primeira de muitas da Torcida do Fogão. Após o mosaico feito contra o Deportivo Quito, os botafoguenses já se movimentam para organizar novas atrações para os próximos jogos.

No jogo de terça, a torcida idealizou uma ‘Rua de Fogo’, onde o ônibus do time passaria entre um corredor formado por torcedores com sinalizadores. Foi feito um pedido ao GEPE para alterar o trajeto do veículo, que vetou a festa por conta do trânsito e da logística.

Com isso, duas opções surgiram. A primeira seria o ‘Black Hell’, festa já realizada em outras ocasiões, mas que esbarra na autorização dos bombeiros. A terceira opção seria a ‘Noite Iluminada’, onde balões iluminados com LED seriam soltos na entrada do time no gramado

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia