Mancini aposta em terapia de grupo para colocar Botafogo nos trilhos

Alvinegro vive momento complicado no Brasileirão

Por pedro.logato

Rio - O nevoeiro, que encobriu grande parte do Maçiço da Tijuca, nesta sexta de manhã, tendo ao fundo o campo anexo do Engenhão, não poderia simbolizar melhor o conturbado momento alvinegro. Em cinco jogos disputados no Brasileiro, o Botafogo conquistou apenas quatro pontos e hoje ocupa a 13º posição correndo o risco de visitar a zona de rebaixamento no fim de semana. Para dar um basta na má fase e colocar o Glorioso novamente nos trilhos, o técnico Vagner Mancini recorreu à terapia de grupo.

Em um bate-papo de uma hora e quarenta minutos, os jogadores puderam lavar a roupa suja e acabar com possíveis arestas. Como a reclamação do atacante Emerson Sheik, que disse após a derrota por 2 a 0 para o Goiás, que está faltando comprometimento do grupo

Mancini tenta dar uma nova cara ao BotafogoMárcio Mercante / Agência O Dia

“Essa cobrança tem que existir em um grupo que pensa alto. É normal, caso não aconteça é melhor cada um voltar para sua casa. Mas os atletas receberam de uma maneira positiva, porque em nenhum momento dei nomes. Inclusive, dentro dessa cobrança eu me inclui também”, argumentou o atacante.

Há um mês no clube, o experiente jogador de 35 anos já identificou alguns problemas que têm comprometido a atuação do time.

“O Botafogo tem um grupo muito qualificado, mas por alguns motivos, eliminação da Libertadores e Carioca, e outras situações que não vem ao caso, talvez isso tenha desgastado um pouco e mexido com a cabeça dos atletas. Este grupo precisa resgatar seu valores”, ressaltou.

Apesar do aproveitamento de apenas 26,7% dos 15 pontos disputados, o jogador elogiou o grupo e aposta em dias melhores.

“Quando cheguei no Corinthians, em 2011, era um time no papel muito abaixo do que é o Botafogo hoje.Temos um grupo extremamente qualificado e um treinador que tem os jogadores na mão. Já começamos bem pelo comando”, elogiou.

Mas para subir na tabela e brigar pela ponta do Brasileiro, Sheik acredita que é preciso trabalhar muito mais.

“É preciso ter um algo a mais. Às vezes, 100% pode não ser suficiente, então é preciso dar 103%, 104% para sair dessa situação. O nosso grupo é dedicado, mas não tem sido suficiente. Se capricharmos um pouquinho mais não só nos jogos, como nos treinos, podemos render mais”, sentenciou o jogador.

Sheik pede reforços e diz que clubes grandes caem

A perda de jogadores importantes como Lodeiro, que está de saída do clube, e a falta de contratações da diretoria preocupam o atacante Emerson Sheik. Mesmo tentando ser cuidadoso com as palavras, ele deixou claro que o Botafogo precisa se reforçar para não correr o risco de ser rebaixado.

“É um campeonato longo, competitivo e a gente sabe que clubes grandes também caem. Então, eu reforçaria a equipe no segundo semestre e não deixaria ninguém ir embora, porque lá na frente certamente vai fazer falta”.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia