Botafogo tropeça no Niltão e só empata com o Juventude pela Copa do Brasil

Depois de 11 dias sem jogar, Alvinegro mostra futebol decepcionante

Por ALYSSON CARDINALI

Pimpão disputa o lance com zagueiro do Juventude: time alvinegro deixou o campo vaiado
Pimpão disputa o lance com zagueiro do Juventude: time alvinegro deixou o campo vaiado -

Vinte anos após perder o título da Copa do Brasil para o Juventude, o Botafogo tentou dar mais um passo para superar a frustração daquela tarde de 27 de junho de 1999, em um Maracanã lotado por 101.581 pessoas. Mas decepcionou. O empate em 1 a 1, ontem, reviveu o assombroso 0 a 0 do passado, irritou os 21.839 torcedores presentes ao Nilton Santos, e deixou o time com a obrigação de vencer o duelo de volta, dia 11, em Caxias do Sul, para se classificar à quarta fase da competição.

Após 11 dias sem disputar um jogo oficial, desde a precoce eliminação no Campeonato Carioca, o Botafogo voltou a mostrar um futebol muito ruim. Após o jogo, vaias, gritos de "time sem vergonha" e ofensas para Zé Ricardo. Com João Paulo entre os titulares, no lugar de Ferrareis, e Gatito Fernández de volta à meta, o time de Zé Ricardo até tomou a iniciativa e Marcinho, aos 12 minutos, quase abriu o placar em chute forte de fora da área.

O lance, porém, não assustou o aplicado Juventude de John Lennon, que atuou pelo Botafogo em 2012. Aos 19, após cochilo da defesa alvinegra em cobrança de escanteio, Paulo Sérgio, ex-Flamengo, subiu mais alto e mandou a bola para a rede. Na comemoração, fez o gesto de "chororô" em provocação à torcida adversária.

O gol abalou o Botafogo, que, afobado, ameaçou em finalização de João Paulo, aos 28, para boa defesa de Marcelo Carné. Aos 35, ainda perdeu João Paulo, expulso, após dar soco em Denner e ser agredido por Paulo Sérgio, que também levou o vermelho. Nada que mudasse o domínio do Juventude, que abusava da cera, enquanto um desordenado Alvinegro só assustaria aos 41, em chute perigoso de Gabriel. Vaias no Nilton Santos.

Vaias que, assim como o nervosismo e a afobação alvinegras, cessaram logo aos três minutos da segunda etapa. Erik recebeu passe em velocidade, entrou na área e foi derrubado por Carné. Pênalti que ele mesmo cobrou, aos cinco, para empatar e, enfim, fazer o Botafogo dominar o adversário.

Decidida, a equipe de Zé Ricardo passou a encurralar o Juventude. A torcida alvinegra começou a jogar junto, mas sofreu com a falta de pontaria de Pimpão, Diego Souza, Cícero e, principalmente, Kieza, que perdeu chance de gol inacreditável. A falta de capricho nas finalizações fez as vaias voltarem, impedindo a virada e que o Botafogo exorcizasse os fantasmas do passado.

Comentários