Família e mudança pesaram na escolha de Yaya Touré de recusar o Botafogo

Negociação com o marfinense durou três semanas

Por Lance

Yaya Touré
Yaya Touré -
Rio - Três semanas se passaram e Yaya Touré deu uma resposta negativa ao Botafogo. Entre o fato do jogador ter sido oferecido pelo empresário Marcos Leite e as tamanhas exigências feitas pelo meio-campistas, muitas coisas pesaram na cabeça do marfinense antes de dizer não. Entre elas, a decisão da família de não querer passar por outra mudança impactante de vida.

Yaya Touré jogou no Qingdao Huanghai, da segunda divisão da China, durante 2019. Antes, o marfinense esteve no Olympiakos-GRE. A mudança da Europa para a Ásia já foi sentida, tanto é que o meio-campista passou longe de renovar seu vínculo com a equipe, ficando sem clube após o final da temporada.

A família de Yaya - formada por Gineba, sua esposa, e Dimitri, o filho - mora em Londres, capital inglesa, país que o marfinense atuou entre 2010 e 2018. A questão da adaptação com a língua e a boa adaptação do primogênito na escola foram decisões que pesaram. A mulher, principalmente, era contra passar por outra mudança de país.
E MAIS:
Botafogo afirma que negociações com Yaya Touré foram encerradas
Por pedido do Corinthians, Thiaguinho deixa o Botafogo
Sem Bruno Nazário, Botafogo faz primeiro treino da semana
Luís Henrique, sobre ascensão no Botafogo: 'Mais responsabilidade'
Keisuke Honda aparece no BID e pode estrear pelo Botafogo
Parabéns! Matheus Nascimento faz 16 anos e Botafogo tem negociações por contrato profissional
Yaya Touré até mostrou animação com a possibilidade de jogar no futebol brasileiro, mas a questão financeira também entrou em pauta. Ao descobrir a taxa de impostos do país, de 27,5%, o marfinense pediu um salário maior em relação ao valor que já havia sido previamente acordado com a diretoria do Alvinegro. O Comitê Executivo de Futebol aceitou os novos números, mas mesmo assim o jogador ficou reluzente em aceitar.

As seguidas demoras e exigências de Yaya Touré chegaram a irritar a diretoria, que, animada no começo das conversas, passou a ficar um pouco desacreditada em um desfecho feliz. Dito e feito. Ricardo Rotenberg, VP Geral e Marketing do Glorioso, chegou a conversar o empresário do marfinense com a esperança de reverter a situação de última hora, mas não logrou êxito.

Durante as conversas, o marfinense pediu, ao menos, três reajustes salariais e o Botafogo, esperançoso em um desfecho positivo e em ir atrás de mais um reforço de peso, aceitou - ou, pelo menos, renegociou tais termos. O Alvinegro não vai deixar as portas fechadas, mas, ao mesmo lado, não ficará à mercê de uma resposta do marfinense. Por isto, as negociações foram fechadas.
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários