John Textor é dono de parte do Crystal PalaceDivulgação

Rio - A assinatura do empresário norte-americano John Textor com a oferta de 90% vinculada ao esporte do Botafogo na SAF, encheu os torcedores alvinegros de esperança para ter um clube mais reestruturado do que já se reencontra.
Neste caso, o jornalista Rodrigo Capelo, especialista em negócios do esporte, durante o "Seleção SporTV", do Grupo Globo, nesta segunda-feira, pediu para a torcida "esquecer" o Campeonato Carioca após a chegada do investidor e focar em questões internas, como por exemplo, a situação financeira.
"Ainda é um momento de transição, não dá para esperar que ele já estivesse contratando, tem muita coisa mais importante na frente. Torcedor do Botafogo, esquece a porcaria do Campeonato Carioca. Olha para o Brasileiro. É um jogo de longo prazo. Sei que contratar jogadores é muito legal, mas nesse momento há coisas muito mais importantes a serem feitas", afirmou o jornalista Rodrigo Capelo, especialista em negócios do esporte.
"É natural que o Textor se dedique inicialmente dos assuntos da porta para dentro. Quando ele fala que chegou num clube que já estava se reestruturando, isso foi fundamental. O CEO Jorge Braga, com o respaldo do presidente Durcesio Mello, começou a arrumar o clube antes mesmo da venda acontecer. Como o trabalho foi bem feito, a venda aconteceu. Mas ainda há muitas etapas para acontecer. Quem vai ser o CEO do Textor? Continuará o Jorge Braga? Quem será o diretor de futebol? Continuará o Eduardo Freeland? Vai se manter o Enderson? Tudo isso será importante e acontecerá nesse primeiro momento. Não espero que o Textor vai chegar e já de cara começar a participar de questões coletivas, como direitos de TV, liga, isso tudo deve acontecer num segundo momento", completou.

"Espero que, além de se adaptar rapidamente, que ele possa forçar, vamos dizer assim, entre aspas, alguma transformação. Sabemos que o futebol brasileiro tem uma série de pautas para serem trabalhadas com urgência, como calendário, fundação da liga, fair play financeiro, tudo isso é fundamental. Duvido que o Textor vai pensar diferente disso", concluiu.