Gabigol em busca da consagração no Flamengo

Apresentado oficialmente, atacante elogia o clube, a torcida e só pensa em fazer gols e ser campeão

Por O Dia

Ansioso: Gabigol admite que não vê a hora de trabalhar com Abel Braga e de retribuir o apoio da torcida
Ansioso: Gabigol admite que não vê a hora de trabalhar com Abel Braga e de retribuir o apoio da torcida -

Um garoto de apenas 22 anos. Apesar da pouca idade, Gabigol demonstra maturidade de veterano dentro e fora de campo. Milionário (vai receber R$ 1,25 milhão por mês) e com a vida ganha, está feliz no Flamengo. Em sua apresentação oficial, no Ninho do Urubu, ele enalteceu a força da Nação rubro-negra. Sem medo de cara feia, ainda deu um drible nos pessimistas, mandou para escanteio a pressão de vestir o Manto Sagrado e avisou: "Quero fazer gols e ser campeão".

Ao lado do diretor Bruno Spindel, do novo gerente geral, Reinaldo Belotti, e do vice de futebol, Marcos Braz, Gabigol chegou ao auditório com a camisa 12 em homenagem à torcida , mas, goleador que é, vai entrar em campo com a 9 tradicional. Artilheiro do último Campeonato Brasileiro (18 gols pelo Santos), Gabigol projeta uma temporada de sucesso não só para ele, mas para seus companheiros de time e todos os rubro-negros.

"Quero agradecer a todos por estar em um grande clube. A todos que ajudaram o sonho a virar realidade. Estou muito feliz e agradecido. Espero retribuir com uma grande entrega. Quero fazer gols e ser campeão. A minha história com a camisa do Flamengo começa a ser escrita agora. E espero que ela seja muito feliz", disse o atacante, que brincou com o fato de ser tão novo.

"Eu tenho vinte e dois ainda. Minha carinha tá chata e parece que tenho trinta anos (risos). Mas me sinto bem preparado. O que posso passar é minha felicidade de estar aqui, tem sido espetacular. Não esperava. Quero mesmo é mostrar dentro de campo. O Flamengo realmente é enorme. Nem joguei ainda e já senti. Espero poder retribuir todo carinho. Que seja um ano feliz para mim e para o clube", projetou, minimizando a pressão por resultados que um time tão badalado sofrerá.

"Os jogadores que chegam, sabem do peso. É uma pressão saudável. Claro que existe o peso, mas podemos levar para o lado bom, ter a torcida ao nosso lado. A pressão não é só sobre mim, é sobre o elenco. Quem tem que fazer gol é o time inteiro, não só o Gabriel. Mas quando estamos soltos, as coisas acontecem mais fácil", frisou.

ELOGIOS A ABEL

Para Gabigol, o que deve prevalecer na busca por resultados é o coletivo: "Quem tem que ganhar é o Flamengo. Não é o Gabriel ser o artilheiro, ser o melhor. O Flamengo está acima de tudo e de todos".

Gabigol, que treinou sozinho antes da apresentação oficial, não vê a hora de conhecer o técnico Abel Braga e os jogadores, que decidem com o Eintracht Frankfurt-ALE, hoje, às 19h (de Brasília), em Orlando, o título da Florida Cup. "Acho que vou aprender bastante com o Abel. Estamos ansiosos para começar logo", disse.

Solidário, Gabigol avisou que vai cumprir as funções que o treinador determinar. Tudo pelo Flamengo. "Pretendo ajudar em qualquer posição. No Santos joguei em todas, sou versátil. No que ele precisar, vou estar à disposição", observou.

Gabigol ainda encheu a bola do uruguaio Arrascaeta, outro reforço de peso do time, e do grupo do Flamengo. "Arrascaeta é muito gente boa e também está ansioso. Assistimos ao jogo (contra o Ajax). Fiquei feliz. É só o primeiro jogo. Eu chego para somar, o Flamengo tem grandes jogadores. Uribe, Dourado, Lincoln... Isso é bom para acirrar a disputar e o time vencer", avaliou Gabigol. Palavra de 'veterano'.

Arrascaeta, aliás, só será apresentado oficialmente na segunda-feira. Quanto a Dedé, a diretoria não jogou a toalha, mas o Cruzeiro só o libera com o pagamento da multa rescisória, no valor de R$ 330 milhões.

Comentários