Ex-goleiro do Liverpool lembra apelido do Mundial vencido pelo Flamengo: 'Copa Mickey'

Equipes se reencontram neste sábado, 38 anos depois da final de 1981, para disputar o título mundial novamente

Por O Dia

Há 38 anos, Flamengo vencia o Liverpool e conquistava o campeonato mundial pela primeira vez na história
Há 38 anos, Flamengo vencia o Liverpool e conquistava o campeonato mundial pela primeira vez na história -
Rio - Flamengo e Liverpool se reencontram neste sábado, 38 anos depois da final de 1981, para disputar o título mundial novamente. Goleiro da equipe inglesa naquela decisão, Bruce Grobbelaar se recorda de forma debochada do evento que foi batizado como "Copa Mickey" pelo técnico Bob Paisley. Além do resultado negativo, outro fator aumentou a tristeza daquele dia.
Nosso técnico chega para nós antes do jogo e diz: "Escutem, eu não quero que ninguém se machuque. Isso é uma Copa Mickey Mouse, só não se machuquem, porque preciso de vocês para quando voltarmos para casa".
Grobbelaar chegou ao Liverpool em março de 1981 para ser reserva de Ray Clemence. Após a transferência do titular para o Tottenham, ganhou a posição que ocuparia por 13 anos. No entanto, o começo não foi fácil. Entre os jogos ruins, está a derrota por 3 a 0 para o Flamengo na final do Mundial Interclubes, quando saiu mal no primeiro gol e bateu roupa no segundo.
Além dos três gols sofridos, Grobbelaar teve mais um motivo para reforçar a lembrança amarga daquele dia. Após o apito final, Paisley revelou a notícia da morte de seu pai ao goleiro, que não entendeu o motivo de ter escondido, já que o jogo, teoricamente, não valia nada.
"Quando ele veio para mim depois do jogo e disse que meu pai tinha morrido dois dias antes, eu perguntei por que ele não me contou antes. Talvez eu tivesse jogado essa partida por ele e houvesse um resultado diferente."
"Ele disse que não sabia qual seria minha reação, se eu quebraria ou algo do tipo. Mas foi um aprendizado para ele. Ele sabia que eu tinha estado no Exército e não teria quebrado. Eu teria jogado muito melhor. Ele fez o que ele tinha que fazer. Eu não tenho arrependimentos. Eu fiquei feliz de ir para o funeral do meu pai e de voltar para Liverpool", concluiu.
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários