Fluminense joga sem medo de ser feliz

Ciente dos riscos, Cristóvão Borges tenta resgatar o futebol técnico e objetivo apresentado no Mundial

Por pedro.logato

Rio - A curta carreira de Cristóvão Borges não limita sua visão como técnico. Com a mente aberta, ele conferiu de perto as inovações táticas apresentadas na Copa do Mundo. Apesar das lições dadas pela campeã Alemanha, o comandante tricolor tenta colocar as próprias ideias em prática no Fluminense. Assim, evita qualquer comparação com algumas seleções pela ousadia de seu meio de campo com um volante (Jean) e três armadores (Cícero, Wagner e Conca). A formação será repetida contra o Santos, neste domingo, às 18h30, no Raulino de Oliveira.

Fluminense quer voltar a vencer no BrasileirãoDivulgação

Nas Laranjeiras, o comandante tricolor acredita que tem peças para experimentar. O medo de testar não o intimida, mesmo ciente dos riscos. De peito aberto, Cristóvão Borges aceita elogios e críticas, mas assume o desafio de resgatar o futebol técnico, com valorização de posse de bola, sempre com muita objetividade. Falta comprovar na prática sua proposta.

LEIA MAIS: Notícias, contratações e bastidores: confira o dia a dia do Fluminense

“A Copa do Mundo, nesse sentido, não inspirou muito (meu trabalho). Eu já jogava assim. O Fluminense foi o lugar que pude melhor mostrar isso pela qualidade técnica que o plantel me permite. Temos muitos jogadores com o nível técnico elevado”, disse o técnico tricolor.

Há três rodadas sem vencer, o Fluminense perdeu a vaga no G-4 do Brasileiro. Convicto de que a equipe brigará pelas primeiras posições até o fim da competição, o treinador se apoia não apenas na qualidade, mas na consciência tática do grupo para fazer seu ousado esquema de jogo funcionar.

“Tem que ter muita organização e aplicação tática. Quando decidi atuar dessa forma, conversamos muito durante e depois dos treinos. Por explicações táticas e vídeo, para mostrar a necessidade de jogar dessa maneira, porque ela tem muitos riscos. Exige uma aplicação tática muito grande. Discutimos todos esses ponto”, disse.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia