Fluminense faz o jogo do ano no Uruguai

Em clima de final, time encara o Nacional e tenta manter vivo o sonho do título da Sul-Americana, além de engordar as finanças em 2018

Por O Dia

Jogadores do Flu correm no treino físico em Montevidéu
Jogadores do Flu correm no treino físico em Montevidéu -

Uruguai - Um jogo que vale muito para a temporada. Depois do 1 a 1, no Engenhão, o Fluminense precisa vencer ou empatar em dois gols em diante com o Nacional, em Montevidéu, às 19h30 (de Brasília), para seguir sonhando com um título em 2018. Única possibilidade de dar alegria ao torcedor, a Copa Sul-Americana também se tornou a última chance de o Tricolor conquistar uma vaga na Libertadores e, de quebra, engordar as finanças. Por isso, a partida é encarada como uma final.

Depois das decepções no Carioca e na Copa do Brasil, o Fluminense ainda patina no Brasileiro e só pode se orgulhar da campanha na Copa Sul-Americana. Uma classificação à semifinal de um torneio internacional o que não acontece desde 2009 ajudaria a aplacar a decepção da torcida. Além disso, garantiria cerca de mais de R$ 2 milhões em premiação, sem falar na renda de bilheteria com um Maracanã cheio na próxima fase. E o mais importante: manteria vivo o sonho de um título continental.

Para isso, o Fluminense precisará superar um adversário que tem seis vitórias e um empate em sete jogos internacionais em seu estádio este ano. Missão difícil, mas que o Tricolor conta com seu passado para superar: em 2009, após empatar no Rio na ida (2 a 2), venceu a Universidad de Chile por 1 a 0 em Santiago e se classificou à semifinal da Sul-Americana.

"Primeira coisa é que é possível ganhar, não é proibido. É jogo de superação, de equilíbrio. Vamos investir no nosso potencial para comemorar uma classificação no fim, que seria fundamental para o Fluminense", disse o técnico Marcelo Oliveira, que retorna ao Parque Central, estádio onde jogou pelo Nacional, em 1982.

Comentários