Vice do Fluminense sobre fase no Brasileiro: 'É pontuação de time que será rebaixado'

Celso Barros cobra melhora nos resultados e avisa que próximos dois jogos serão 'importantíssimos'

Por O Dia

Vice geral do Fluminense, Celso Barros, reuniu-se com o grupo
Vice geral do Fluminense, Celso Barros, reuniu-se com o grupo -
Antes de apresentar Lucão, quarta contratação da nova gestão, o vice geral do Fluminense, Celso Barros, se reuniu com o elenco e a comissão técnica para cobrar uma virada no Campeonato Brasileiro. Preocupado com a baixa pontuação na tabela - 12 pontos em 14 rodadas -, o dirigente vê os próximos jogos, contra CSA e Avaí, como importantes para o time se recuperar.
"Desde que assumimos (no início de junho), só fizemos seis pontos. Isso tem de mudar. É pontuação de time que será rebaixado. Não acho que temos elenco para estar nessa situação. É preocupante. Fizemos questão de falar e acreditamos que vamos sair disso juntos. Eu pedi essa reunião. Queria conversar com atletas e comissão técnica. O momento é ruim no Brasileiro. Eu acho que temos de redobrar o nosso comprometimento em campo. Eu sei que existe, mas há essa necessidade de suar mais, de jogar mais. Vi o Fluminense ser campeão duas vezes e quase cair duas. Eu sei da dificuldade", afirmou Celso Barros, ressaltando a importância de um triunfo em casa sobre o CSA.
"Se vencer, a gente terá ganho seis pontos nos últimos nove. É uma boa média. Se a cada três jogos a gente fizer isso, saímos dessa situação."
Com a insatisfação da diretoria tricolor com o atual momento, a pressão sobre Fernando Diniz por resultados começa a crescer a cada rodada no Campeonato Brasileiro. Ainda assim, Celso Barros não quis condicionar a permanência do treinador a vitórias nas próximas rodadas e garantiu que não há procura por outros nomes neste momento.
“Eu não vou condicionar a esses dois jogos. O fato é que em 14 jogos o resultado é ruim. É importantíssimo vencer os dois jogos. Ninguém vai dizer aqui que o Diniz está prestigiado. Isso é termo do passado. É o técnico e está sendo cobrado, assim como a gente é pela torcida. Os resultados são importantes. Não tem jeito. Pode-se jogar lindamente, mas fica difícil sem resultado. Ele é o técnico e vai continuar o trabalho. Eu fui criticado quando, na eleição, eu fiz uma ponderação por estar a um ponto do Z-4 e me questionaram se eu não daria tempo ao Diniz. É claro que ele tem tempo. Está aí desde o começo do ano".

Comentários