Celso Barros diz que Yony não tem interesse em ficar no Fluminense

Entre as negociações por renovação, a do atacante colombiano é a mais difícil

Por O Dia

Yony González
Yony González -
Rio - Mesmo na luta contra o rebaixamento e sem saber como será o planejamento para 2020, o Fluminense tem buscado a renovação de contrato com os principais nomes do elenco. Entre as negociações, a mais complicada é a de Yony González, que não respondeu à nova proposta, desta vez oferecida pela nova diretoria. Segundo o vice geral, Celso Barros, o atacante não quer ficar.
"Fizemos uma proposta para o Yony, conversamos com o pai dele. Ele não demonstra muito interesse em permanecer. Como veio sem custos, a gente fez uma proposta até parcelando uma eventual compra dos direitos, mas ele não deu resposta", afirmou Celso Barros na coletiva de prestação de contas pelos 100 dias da nova diretoria tricolor.
Valorizado, Yony já recebeu sondagens de outros clubes no Brasil. Ele considerou a proposta baixa oferecida pelo ex-presidente Pedro Abad.
Outra renovação considerada difícil é a de Nino. Não pela vontade do jogador, mas pelos valores envolvidos. Sem dinheiro, o Fluminense teria que entrar em acordo com o Criciúma, que o emprestou até o fim do ano.
"O Nino tem uma cláusula de compra de R$ 5 milhões por 50% e é um jogador que interessa. Vamos conversar com o Criciúma", explicou o dirigente. 
O Fluminense também já iniciou conversas para tentar manter Allan, emprestado pelo Liverpool, e Caio Henrique, que pertence ao Atlético de Madrid. Os dois volantes são dois dos mais valorizados do elenco na temporada, mas a diretoria está otimista.
"O Allan tem um representante no Brasil e estamos conversando. O Caio Henrique é representado pelo Deco, que tem um ótimo relacionamento conosco. As conversas estão ocorrendo e há chance de eles ficarem com a gente no ano que vem", disse Celso Barros.
Quem renovou o contrato foi Igor Julião. O lateral assinou até o fim de 2021.

Comentários