Mário ouviu um não da CBF  - Divulgação
Mário ouviu um não da CBF Divulgação
Por O Dia
Rio - Durante o programa "Bem, Amigos", na última segunda, Mário Bittencourt, presidente do Fluminense, entrou ao vivo por telefone, e revelou o motivo da demissão do técnico Oswaldo de Oliveira. Alvo de críticas, o mandatário esclareceu que a razão do ocorrido não teve relação com a briga na beira do gramado entre o treinador e Paulo Henrique Ganso.
"A saída dele se deu muito mais em razão do clima que se criou posteriormente a uma reação do próprio treinador com relação aos nossos torcedores e também pela avaliação de critérios técnicos nossos, que a gente entendeu que, naquele momento tinha que fazer a mexida.", revelou ao programa da "SporTV".
Publicidade
A "reação" dita por Mário, se refere a atitude de Oswaldo de Oliveira ao mostrar o dedo médio para a torcida, na saída do treinador para o vestiário, após o empate do Fluminense por 0 a 0 contra o Santos, na última quinta-feira. Veja o momento:
Publicidade
O presidente do Fluminense, também comentou sobre a atitude de Ganso, que estava sendo duramente criticado por Galvão Bueno e Casagrande.
“Com relação ao Ganso ter sido o capitão, queria deixar bem claro que ele teve uma punição pecuniária – que já era prevista em contrato por imagem por atitudes como aquela, foi aplicada essa punição e também uma punição aplicada também no salário dele CLT. Foi comunicada a ele e na frente de todos os jogadores, para que os outros jogadores entendam que esse tipo de conduta a gente vai sempre repreender. Sobre a questão da braçadeira de capitão, o nosso capitão normalmente é o Digão e existe uma ordem sequencial de se colocar a braçadeira.”, completou.
Publicidade
Relembre a confusão entre o ex-técnico e o camisa 10 do Tricolor: