Em grupo de cartolas cariocas, presidente do Fluminense critica MP de Bolsonaro: 'Muitas falhas'

Mandatário tricolor argumentou que a decisão do presidente da república não deve se aplicar aos jogadores de futebol

Por Venê Casagrande

Mário Bittencourt
Mário Bittencourt -
Rio - O grupo de Whatsapp criado por Rubens Lopes, presidente da Ferj, para debater com os presidentes dos clubes cariocas segue a todo vapor. Nesta manhã, o assunto do debate entre os 20 membros foi a medida provisória assinada pelo Presidente da República Jair Bolsonaro, que permite suspensão de contrato de trabalho por até quatro meses.

O presidente do Fluminense Mário Bittencourt foi o que mais expôs a opinião sobre a medida provisória. Às 9h30, o mandatário tricolor argumentou que a decisão de Jair Bolsonaro não deve se aplicar aos jogadores de futebol. A reportagem teve acesso às conversas do grupo denominado "Futebol Rio - COVID19".

Veja abaixo o que foi dito pelo Presidente do Fluminense:

"A medida provisória na minha modesta opinião tem muitas falhas. Atleta de futebol é uma categoria diferenciada. Quando a MP fala a suspensão de contratos se refere somente aos casos se colocarmos o empregado para fazer cursos capacitante, o que não tem como fazer com o atleta profissional de futebol. Eu acho que no nosso caso temos que avaliar com bastante calma e tentar encontrar uma fórmula que atenda a todos".

Nesta segunda-feira, às 15h, Mário Bittencourt terá uma conferência com os presidentes dos clubes da CNC para debater a medida provisória assinada pelo Presidente da República Jair Bolsonaro. Enquanto isso, alguns clubes, como Botafogo e Flamengo, já decidiram adiantar as férias de dezembro para dia 23 de março até 21 de abril.

Comentários