Vasco segura o Ceará e consegue a permanência na Série A

Ponto foi suficiente para salvar a equipe carioca

Por O Dia

Novidade na escalação, Caio Monteiro foi substituído por Marrony aos 19 minutos do segundo tempo
Novidade na escalação, Caio Monteiro foi substituído por Marrony aos 19 minutos do segundo tempo -

Ceará - A imensa torcida do Vasco está bem feliz. O alívio de ver o time se livrar do quarto rebaixamento em dez anos não tem o peso da conquista de um título, mas preserva a tradição de um dos maiores clubes do país e a paixão de quem carrega a cruz de malta no peito. A confirmação da permanência na elite do Campeonato Brasileiro só veio na última rodada, na base da garra e da superação de um time limitado tecnicamente, mas que soube conter o ímpeto do Ceará e segurar um suado 0 a 0, ontem, no Castelão. A sonhada vitória fora do Rio de Janeiro na competição não aconteceu, mas fica para a Série A de 2019. A frustração, na verdade, foi do Ceará, que deixou escapar a vaga na Copa Sul-Americana.

Confira a tabela do Brasileirão

Mesmo com Willian Maranhão improvisado na lateral esquerda, no lugar de Henrique, lesionado, o Vasco, defensivamente, foi valente em Fortaleza. Diante de um Ceará livre do risco de rebaixamento e motivado na busca por uma vaga na competição continental, o time de Alberto Valentim suportou a pressão do adversário e de um Castelão lotado. Bem postado na defesa, pouco foi ameaçado pelo ataque dos donos da casa no primeiro tempo.

Mas tamanha doação à marcação, teve um alto preço para os cruzmaltinos: um ataque inofensivo. Apagados e bem marcados, Kelvin e Caio Monterio, que substituiu o suspenso Yago Pikachu, pouco pegaram na bola, o que aniquilou as chances de gol do Vasco, já que Maxi López, isolado, só foi notado em campo quando se atrapalhou após receber um passe e dominar a bola com o joelho quando entraria na área frente a frente ao goleiro Éverson.

O meio de campo também deu sua parcela de contribuição para a total falta de

criatividade ofensiva do Vasco. Raul, que ganhou a vaga de Desábato, só foi notado quando recebeu um cartão amarelo por falta em Juninho. Andrey e Thiago Galhardo, mais técnicos, até tentaram criar algo, mas também tiveram dificuldades para furar o bloqueio defensivo do Ceará, que, nervoso, não conseguiu tirar vantagem de seu domínio territorial em um primeiro tempo no qual a transpiração falou mais alto que a inspiração e o 0 a 0 no placar fez jus ao duelo na capital cearense.

O intervalo, porém, fez bem ao Vasco. No segundo tempo, o time acordou e voltou a campo mais ofensivo. O que não significa dizer que a fome de gols do Ceará tenha dimunído. Fato é que as duas equipes passaram, enfim, a praticar a essência do futebol: a busca pela vitória. O jogo ficou mais movimentado e a criação de jogadas ofensivas, frequentes. Aos 24 minutos, o Vasco, enfim, criou uma chance para marcar, mas Marrony, que entrara na vaga do apagado Caio Monteiro, chutou a bola em cima do goleiro Éverton, após passe de Andrey.

Apesar de desperdiçar a chance de gol mais clara do jogo, o Vasco não se abalou. Manteve o posicionamento um pouco mais adiantado e passou a ter mais posse de bola, valorizando o tempo e encurralando o Ceará em seu campo defensivo. Mesmo assim, os donos da casa, empurrados pela torcida, conseguiram se aventurar com perigo na frente. Juninho, aos 34 minutos, obrigou Fernando Miguel a difícil defesa, em chute de fora da área. Aos 35, Luiz Otávio cabeceou rente ao travessão, após cobrança de escanteio.

Refeito dos susto, o Vasco tratou de tentar conter o avanço adversário. Sem saber que, em Recife, o Sport fazia 1 a 0 no Santos, o que deu ares de dramaticidade à partida no Castelão. Afinal, se o Vasco levasse um gol e fosse derrotado, seria rebaixado para a Segundona. Mesmo assim, os comandados de Alberto Valentim tiveram nervos de aço para garantir o empate diante de um Ceará que lutou até o fim pela vaga na Copa Sul-Americana. Em vão. A festa foi da imensa torcida bem feliz do Vasco.

FICHA TÉCNICA
CEARÁ 0 X 0 VASCO

Data e hora: 2 de dezembro de 2018, às 17h
Local: Arena Castelão, em Fortaleza (CE)
Árbitro: Raphael Claus (SP)
Auxiliares: Danilo Ricardo Simon Manis e Rogerio Pablos Zanardo (ambos de SP)
Cartões amarelos: Richardson, Ricardinho (Ceará); Willian Maranhão, Raul (Vasco)
Cartão vermelho: Samuel Xavier (Ceará)

CEARÁ: Everson; Samuel Xavier, Valdo, Luiz Otávio e Felipe Jonatan; Richardson, Juninho e Ricardinho (Wescley); Calyson (Eder Luis), Felipe Azevedo (Cardona) e Arthur / Técnico: Lisca

VASCO: Fernando Miguel; Luiz Gustavo, Werley, Leandro Castan e Willian Maranhão (Ricardo); Andrey, Raul (Desábato) e Thiago Galhardo; Caio Monteiro (Marrony), Kelvin e Maxi López / Técnico: Alberto Valentim