Premonição com motoqueiro levou atacante a ir para o Vasco

Rossi revela uma história inusitada durante apresentação em São Januário

Por

Rossi se apresenta ao Vasco e exibe cruz de malta com orgulho
Rossi se apresenta ao Vasco e exibe cruz de malta com orgulho -

Rio - O Vasco apresentou ontem o seu nono reforço para 2019: o atacante Rossi, ex-Chapecoense e Internacional. O jogador, de 25 anos, pertence ao Shenzhen FC, da China, e ficará por empréstimo na Colina até o fim da temporada. Motivado, ele destacou que teve trabalho para convencer os dirigentes asiáticos a liberá-lo sem custos. Passada a novela, Rossi não vê a hora de estrear.

"Estou muito feliz por estar vestindo a camisa do Vasco. Foi uma negociação muito difícil e quero agradecer o empenho do Alexandre Faria (diretor-executivo do clube). Minha vontade foi essencial. Não é fácil tratar com os chineses. Estou ansioso e motivado para ajudar o Vasco", afirmou Rossi, que já realizou todos os exames médicos.

Durante a conversa com os jornalistas, o atacante revelou um fato curioso, uma coincidência que selou o seu destino. "Em uma viagem de carro, eu falei comigo mesmo que queria uma luz. Pedi aos céus. Quando fechei a boca, um motoqueiro veio em minha direção com a camisa de uma torcida organizada do Vasco. Falei: 'Já sei para onde vou'. Cheguei na cidade e liguei para o meu pai e falei isso com ele. Liguei para meu agente e pedi para resolver. É o Vasco, não é? Tudo foi se encaixando", contou.

FÃ DE EDMUNDO

Ídolo da história recente do Vasco, o ex-atacante Edmundo, campeão brasileiro pelo clube em 1997, é a fonte de inspiração para Rossi, que, assim como o Animal, vai vestir a camisa 7. "Sempre foi um cara que me fez brilhar os olhos quando jogava. O Vasco também tem outros grandes ídolos, como o Roberto Dinamite, o Ramon, que está no clube hoje (auxiliar técnico). Vestir a camisa que o Edmundo vestiu é uma satisfação muito grande. Ele é meu ídolo. Se eu fizer um pouquinho que o Edmundo fez já será suficiente", destacou Rossi, completando que a galera terá alegrias com ele em campo: "A torcida pode esperar muitas assistências e quero ajudar muito os jogadores, como Maxi e Pikachu".

Apesar do pouco espaço no Internacional, o atacante garantiu que está em dia com a forma física: "Treinava com personal. Não é a mesma coisa que treinar com o grupo, mas acredito que em uma semana já estarei à disposição".

 

Comentários