Perto de marca histórica na Colina, Fernando Miguel vai às lágrimas

Com 98 jogos pelo clube, goleiro é um dos símbolos da boa fase da equipe no Brasileiro

Por MARCELO BERTOLDO

Fernando Miguel é um dos pilares técnicos do Vasco e um dos líderes nos bastidores
Fernando Miguel é um dos pilares técnicos do Vasco e um dos líderes nos bastidores -
Rio - A cada defesa, Fernando Miguel edifica seu nome como um dos pilares do Vasco. Perto de completar 100 jogos pelo clube, provavelmente contra o Bahia, dia 7 de outubro, em Pituaçu, o goleiro não conteve a emoção ao relembrar a trajetória de aprendizado e evolução nas 98 vezes que vestiu a camisa cruzmaltina desde 2018. No século 21, apenas quatro atingiram a marca na Colina: Fábio, Cássio, Fernando Prass e Martín Silva.
"Não sei expressar o tamanho do orgulho de fazer parte dessa história... Nem tinha percebido que estava às portas de completar 100 jogos. Não é isso que vai mudar meu comportamento, e, sim, motivar a querer entregar mais para o clube e para a torcida", disse o goleiro.
Na entrevista coletiva virtual concedida ontem, Fernando Miguel deixou claro que o jejum de quatro jogos sem vitória, sendo que três pelo Brasileiro, é um incômodo para o dedicado e ambicioso grupo. Em quinto lugar, com 18 pontos, o Cruzmaltino terá o líder Atlético-MG, domingo, no Mineirão, no meio do caminho para reconquistar o lugar no G-4.
"Temos de evoluir, melhorar aspectos para criar mais situações para o pessoal da frente. O jogo contra o Atlético-MG será difícil, sim, mas podemos buscar um bom resultado, como o Vasco se habituou ao longo de sua história", avaliou Fernando Miguel.
Referência para o grupo recheado de pratas de casa, o experiente goleiro compartilha o papel de líder ao lado do capitão Leandro Castan e Fellipe Bastos. Aos 35 anos, vive a melhor fase da carreira e vislumbrar 'fincar' raízes em São Januário.
"Desde que cheguei, questionaram quando cheguei com 33 anos no centro do futebol no país. Alguns atletas recebem as melhores oportunidades mais cedo, outros, mais tarde. Sou um desses e estou aproveitando. Tenho vigor, vitalidade e vontade. Aos 35 vivo, sim, o meu melhor momento. E espero que seja assim, aos 36, 37 e 38 anos", destacou o camisa 1, com contrato válido até 2022 e, portanto, muitos capítulos a escrever na Colina.

Comentários