Comerciantes pedem mais rondas noturnas; PM orienta que ocorrências sejam registradas

Em ação conjunta entre as polícias Militar e Civil de Niterói, três assaltantes foram presos após série de crimes

Por Irma Lasmar

Imagens de segurança das câmeras internas de uma loja ajudaram a prender três ladrões em Icaraí
Imagens de segurança das câmeras internas de uma loja ajudaram a prender três ladrões em Icaraí -
Niterói - Não foi só a inatividade que prejudicou os comerciantes nesse período de pandemia de coronavírus. Arrombamentos e furtos em lojas de madrugada, em várias partes da cidade, também vêm aumentando e causando prejuízos que, segundo as vítimas, demorarão a ser repostos em função do isolamento social, que paralisou ou diminuiu a frequência de clientes. Esta semana, com a ajuda de imagens de câmeras de segurança, a delegacia de Icaraí prendeu três ladrões que foram identificados por alguns lojistas assaltados pelo mesmo grupo. O comando da PM na cidade reforça a importância do registro da ocorrência.
A hamburgueria de Pamela Alves, situado na Rua Galvão, no bairro do Barreto, foi saqueado no dia 11 de maio às 4h50, como pôde ser constatado por pelo sistema de monitoramento de casas e prédios próximos. No caixa havia apenas moedas, mas alimentos e equipamentos levados pelos bandidos somavam aproximadamente mil reais. "Tive que comprar tudo de novo, pois é minha única fonte de renda, e não posso parar", diz ela, que esta semana reabriu o seu negócio. "Uma experiência bem negativa, pois a gente trabalha à beça pra perder tudo".
Pamela ainda não conseguiu registrar o boletim no site da Polícia Civil, que oferece o serviço on-line, nem fazê-lo pessoalmente. Provavelmente por isso, tanto o comandante do 12º BPM (Niterói), tenente-coronel Sylvio Guerra (no cargo desde janeiro de 2019), quanto a delegada titular da 78ª DP (Fonseca), que cobre o Barreto, Dra. Janaína Peregrino (no cargo desde 5 de maio deste ano), afirmaram não ter conhecimento de ocorrências recentes no bairro. 
A oficina mecânica de Claudio Serrão também foi alvo de ladrões, duas semanas após o início da quarentena. Invadido por dois homens (um deles dando cobertura do lado de fora) no dia 29 de março, entre 0h10 e 0h30, segundo imagens capturadas pelas câmeras internas, o estabelecimento localizado na Rua Joaquim Távora, em Icaraí, perdeu dois celulares e duzentos reais em dinheiro, totalizando R$1.400. Pode parecer pouco para os outros, mas é o suficiente para revoltar a vítima, já que é fruto de trabalho. A ocorrência foi registrada na pela internet na 77ª DP (Icaraí), que também recebeu imagens gravadas do crime, através das quais três dos bandidos - os mesmos que já praticavam furtos em lojas da região - foram identificados e capturados esta semana.
"O programa Niterói Presente, que circula boa parte do dia, deveria ser estendido para a noite. A Polícia Civil está fazendo seu trabalho de investigação, mas cabe à Polícia Militar a vigilância. As rondas deveriam ser mais frequentes, só que para isso o efetivo do 12º Batalhão precisa ser ampliado", sugere o empresário, que também acompanha as reuniões do Conselho Comunitário de Segurança de Niterói. Ele acredita que alguns assaltantes sejam viciados em drogas que perambulam pelo bairro de madrugada. "Enquanto a lei não for revista, a dependência química continuará sendo vista somente como problema de saúde e não de segurança pública, como apontam suas consequências". Procurado pela equipe de O DIA, o secretário municipal de Ordem Pública, Paulo Henrique de Moraes, não respondeu à solicitação de informações sobre a sugestão da população de ampliação do horário de atuação dos agentes do Niterói Presente.
O Gabinete de Gestão Integrada de Segurança da Prefeitura informa que o Programa Niterói Presente atende ao Centro, Icaraí, Santa Rosa, São Francisco, Charitas, Jurujuba e Barreto, e que os agentes trabalham em turnos de 8 ou 12 horas e as escalas são adaptadas de acordo com a necessidade operacional de cada bairro, funcionando também à noite com horários de 17h às 2h30, de acordo com o previsto pelas regras do convênio com o Governo do Estado. Ainda segundo os porta-vozes do gabinete, "o Niterói Presente não tem o objetivo de substituir os serviços de patrulhamento do 12º Batalhão de Polícia Militar, mas atuar de acordo com o conceito de polícia de proximidade, em áreas de concentração de pessoas, buscando a maior integração com o público, agindo em espaço determinado e de acordo com a avaliação da mancha criminal e necessidades do bairro, dando espaço para que a PM possa ampliar sua atuação no combate à criminalidade. As premissas de funcionamento e o planejamento operacional integram o plano de trabalho do convênio firmado pela Prefeitura de Niterói e o Governo do Estado". 
"Os expressivos resultados apresentados pelo Niterói Presente nas áreas e horários em que atua faz com que haja pedidos para sua atuação fora do previsto pelo convênio de cooperação, entretanto cabe à Polícia Militar atender a demanda solicitada através de planejamento próprio”, explica Gilson Chagas, secretário executivo do Gabinete de Gestão Integrada de Segurança.
O presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Niterói, Joaquim Manuel de Sequeira Pinto, atribui o aumento de assaltos e arrombamentos em estabelecimentos comerciais à falta de movimentação nas ruas no período mais severo do isolamento social. "Nosso policiamento faz um excelente trabalho, mas muitos marginais se passam por morador de rua para efetuar crimes e permanecerem soltos ao se aproveitarem da lei que só acolhe sem teto com consentimento. Fora os cracudos que andam pela cidade iguais a uns zumbis e cometendo delitos", dispara ele, que é dono de uma loja de fechaduras e outros acabamentos.
 
 

Comentários