Estudo da UFRJ conclui que lockdown em Niterói evitou aumento de casos e mortes

Análise técnico-científica cruza dados entre o número de casos e de mortes e as estimativas do avanço da doença

Por Irma Lasmar

Niterói foi a primeira cidade da Região Metropolitana a registrar óbito por covid-19 e também a adotar medidas econômicas
Niterói foi a primeira cidade da Região Metropolitana a registrar óbito por covid-19 e também a adotar medidas econômicas -
Niterói - Um estudo da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) concluiu que as ações mais restritivas de isolamento social e de combate ao coronavírus implantadas pela Prefeitura nos últimos três meses evitaram a contaminação de 11,5 mil novas pessoas e a morte de outras 1,5 mil. O algoritmo da análise técnico-científica cruza dados entre o número de casos e de mortes e as estimativas do avanço da doença entre 17/03 e 30/05. Niterói foi a primeira cidade da Região Metropolitana a registrar óbito por covid-19 e também a adotar medidas econômicas para reduzir os impactos provocados pela crise advinda da pandemia. As regras de restrição de circulação e quarentena serão mantidas até 30 de junho, podendo ser prorrogadas.
Entre as medidas sociais tomadas pelo governo municipal estão a sanitização de ruas e comunidades, a entrega de 80 mil kits de higiene para a população carente, a distribuição gratuita de um milhão de máscaras de tecido para a população, a doação de cestas básicas para famílias em situação de vulnerabilidade social e a aquisição de 50 mil testes rápidos com recursos próprios. Além destas, as ações de restrição incluem a obrigatoriedade do uso de máscara, com multa de R$ 180 em caso de descumprimento; barreiras nas entradas do município, com aferição de temperatura; horários específicos para atividades físicas, sem aglomeração, na orla; e fiscalização do cumprimento dos protocolos sanitários. Niterói também é pioneira nacional com o primeiro centro de quarentena e com o primeiro hospital exclusivo para doentes de coronavírus.
"Apesar de sofrermos perdas, estamos vencendo essa batalha pela vida. Estamos cumprindo nossa missão de proteger Niterói. Vocês, que ficaram em casa, que estão respeitando as medidas sanitárias, estão salvando vidas”, assegura o prefeito Rodrigo Neves. Ele contabiliza mais de 50 mil famílias beneficiadas com cartões pré-pagos, recebendo crédito de R$ 500 por mês, para compras em mercados e farmácias, através dos programas Renda Básica Temporária, Busca Ativa e auxílio aos Microempreendedores Individuais (MEIs). 
O município implantou, em 21 de maio, um plano de transição gradual para o novo normal, com um sistema de cores para identificar estágios de combate ao novo coronavírus, nas cores roxa (situação extremamente grave da pandemia), vermelha (situação muito grave, com restrições de circulação mais rígidas – estágio atual), laranja (atenção máxima) e amarela (alerta). O sinal verde só deverá ser adotado quando estiver disponível uma vacina contra a covid-19. Atualmente, a cidade está no estágio laranja, no qual estão liberadas atividades essenciais (mercados, farmácias, padarias, pet shops e postos de combustíveis), óticas, lojas de materiais de construção, oficinas mecânicas e de bicicletas, atividades da construção civil, serviços médicos, odontológicos e de fisioterapia, hotéis, indústria do petróleo e gás, lojas de automóveis e concessionárias, restaurantes (entrega apenas), escritórios, imobiliárias, salões de beleza e empresas de manutenção e reparo de máquinas e equipamentos.

O plano de transição gradual para a nova normalidade foi desenvolvido por um grupo de trabalho, que contou com a participação de técnicos da Prefeitura e especialistas do meio acadêmico. Ele foi baseado na ciência e nas melhores experiências internacionais. E, para isso, foram levados em conta critérios como a taxa de transmissão da covid-19 na cidade, taxa de letalidade e a retaguarda de leitos. Entre os protocolos obrigatórios estão a ocupação máxima de 50% da capacidade, dar atendimento preferencial para clientes do grupos de risco, distanciamento mínimo de 1,80m entre as pessoas, exibir informativos sobre a prevenção, monitorar a temperatura dos funcionários, testar trabalhadores sintomáticos e afastar profissionais que estejam nos grupos de risco ou apresentem sintomas gripais. A prática de exercícios físicos individuais na orla também foi autorizada das 6h às 9h e das 16h às 22h. Pessoas acima de 60 anos têm horário exclusivo para atividades físicas entre 9h e 11h.
"Entre os indicadores que devem ser utilizados na estratégia de qualquer processo de reabertura, é fundamental o acompanhamento da evolução de casos e óbitos. Qualquer alteração relevante detectada deve ser levada em conta para um possível retorno às medidas restritivas anteriores. Entretanto, todo o cuidado é pouco. A população deve seguir rigorosamente as orientações básicas, evitando aglomerações, utilizando máscaras sempre que for necessário e mantendo os cuidados de higiene. Não podemos subestimar essa doença, pois ela é muito traiçoeira", explica o Prof. Dr. Roberto Medronho, médico infectologista da UFRJ.

Comentários