UFF e Fiocruz estudam primeiros infectados para entender a lógica do contágio

Infectados entre março e abril e seus contatos próximos respondem a um questionário por telefonema e agendam o exame em domicílio

Por O Dia

Pesquisa revelará como a doença atingiu Niterói, estimará a proporção assintomáticas e projetará números futuros de casos e de mortes
Pesquisa revelará como a doença atingiu Niterói, estimará a proporção assintomáticas e projetará números futuros de casos e de mortes -
Niterói - Utilizando dados da Fundação Municipal de Saúde (FMS), pesquisadores da Universidade Federal Fluminense (UFF) - do Departamento de Epidemiologia e Bioestatística do Instituto de Saúde Coletiva, do Grupo GET-UFF contra covid-19 e da Escola de Enfermagem - e da Fiocruz investigam as primeiras ocorrências do novo coronavírus na cidade e como aconteceu sua transmissão, com o objetivo de aprimorar ações e intervenções de prevenção e controle da pandemia no município. Com dados de março a abril de 2020, a pesquisa revelará como a doença atingiu Niterói, estimará a proporção de pessoas infectadas e assintomáticas e realizará projeções tanto do número total de casos confirmados como de mortes.
Os contatos são realizados por telefonema com aqueles que testaram positivo no perímetro temporal da pesquisa e também com as pessoas de suas relações próximas, como familiares e amigos. Nesta parceria com a UFF, a FMS se dispôs a realizar essas testagens nos domicílios. Depois de catalogados os indivíduos a serem estudados, a pesquisa fará um mapeamento dos casos totais separados por gênero, faixa etária e nível socioeconômico. Com essas informações serão formadas curvas epidemiológicas ajustadas para casos confirmados, subnotificações e número total de infectados, estimativas oportunas da gravidade e transmissibilidade da doença, além de entender melhor como foi sua disseminação.
"Estas informações são de grande interesse público e acadêmico, principalmente para os gestores municipais, pois podem auxiliar na orientação da tomada de decisões baseadas nas melhores evidências científicas disponíveis", conclui Jackeline Lobato, professora da UFF e coordenadora do projeto, afirmando que serve de apoio para a continuidade da resposta adequada e oportuna à pandemia que Niterói adotou e que tem sido elogiada internacionalmente. “Contamos com a colaboração da população, no sentido de receber nossas ligações e doar 15 minutos de seu tempo respondendo o questionário. Após essa entrevista por telefone, uma equipe da FMS vai agendar o exame, que será realizado no domicílio”.
Inicialmente, serão considerados 200 casos confirmados e estima-se, com base em teorias de redes complexas, que o número de contatos por cada caso confirmado seja de quatro pessoas. Assim, a amostragem inicialmente estimada seria de 1.000 participantes (200 casos e 800 contatos). Esse total, no entanto, pode ser ampliado, visando a obter uma amostragem mais representativa.

Comentários