Criadora da grife Daspu, Gabriela Leite morre aos 62 anos

Famosa por lutar pelos direitos das prostitutas, ela sofria de câncer no pulmão e será enterrada na manhã de sábado, no Cemitério do Catumbi

Por paulo.gomes

Rio - Criadora da grife Daspu, Gabriela Leite, de 62 anos, morreu na última quinta-feira, vítima de câncer de pulmão. Antiga prostituta da Vila Mimosa e da Boca do Lixo, em São Paulo, onde nasceu, Gabriela será enterrada neste sábado, às 9h30, no Cemitério do Catumbi.

Gabriela Leite tinha 62 anos e lutou pelos direitos das prostitutasReprodução Internet

Formada em ciências sociais na Universidade de São Paulo (USP), Gabriela Leite foi uma bandeira na luta a favor da regulamentação da profissão de prostituta. Em 1987, ela organizou o primeiro encontro nacional de prostitutas. Cinco anos depois, Gabriela fundou a ONG Davida, com o objetivo de proteger os direitos das garotas de programa.

A Daspu, nome que ironiza a Daslu, antiga loja de artigos luxuosos, foi criada para que as próprias prostitutas criaram suas próprias roupas. Em 2009, sua história foi contada no livro "Filha, Mãe, Avó e Puta". Logo depois a obra foi adaptada para o teatro, com a atriz Alexia Dechamps fazendo o papel de Gabriela.

Através do Twitter, a atriz comentou a morte de Gabriela. "Gabriela Leite, foi um prazer conhecer você, sua vida e fazer você no teatro. Sua vida deixou muita gente de queixo caido", escreveu.

O deputado federal Jean Wyllys, autor do projeto de lei que propõe a regularização dos profissionais do sexo, também lamentou a morte de Gabriela Leite.

"Obrigado por ter me/nos ensinado que cada mulher pode ser considerada digna, independentemente de quais sejam suas escolhas".

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia