Mais Lidas

Cariocas se unem para driblar a falta d’água em pleno verão

Moradores de diversos pontos do Rio reclamam da Cedae e buscam alternativas para a ‘seca’

Por tamyres.matos

Rio - Sob altas temperaturas, o drama. O calor típico da estação mais quente do ano é ‘triplicado’ por um problema que afeta moradores do Rio de Janeiro e da Região Metropolitana: a falta d’água. Das zonas Oeste e Norte cariocas a cidades como São Gonçalo, os relatos se assemelham. Para driblar a ‘seca’, a população chega a percorrer quilômetros atrás de água, compra carros-pipa e, em alguns casos, conta com a solidariedade de vizinhos que doam caixas cheias.

Para a Cedae, que nega a falta d’água generalizada, o consumo aumenta 30% neste período, acarretando “problemas pontuais”. A companhia afirma que, em algumas regiões, a demanda cresce 200% devido a ligações clandestinas, ou até por ser região turística.

Peregrinação em busca de água%3A em Cordovil%2C o motorista Carlos Cardoso faz várias viagens para encher a caixa de 400 litros e alguns barris no galpão de um amigoEstefan Radovicz / Agência O Dia

Na Praça Treze de Junho, em Cordovil, Zona Norte, o abastecimento escasso já é histórico. Com as contas em dia, mas sem o serviço, alguns moradores chegam a peregrinar em busca de água.É o caso do motorista Carlos Cardoso, 47 anos. Em um dia, ele faz diversas viagens de quilômetros com sua Kombi para encher a caixa d’água de 400 litros, além de barris. “Dizem que é problema de tubulação. Encho a caixa e os barris no galpão de um amigo. Vou e volto várias vezes. Por que pagar carro-pipa se já pago conta?”, queixou-se.

Moradores da Vila Ati, no Tanque, foram para a rua ontem com seus baldes vazios, protestar. A aposentada Aurea Siqueira,65, já fez 12 solicitações de reparos na tubulação. “A Cedae trocou canos de 50 anos, mas nada mudou. Estou processando”, disse. Na Rua Tirol, no Pechincha, o mesmo: “Há dias em que somos surpreendidos sem água”, ressaltou a designer Camila Dias, 31.

Para cuidar da mãe, Lucinda Silva, 80, Nanci Aguiar, 62, recebe ajuda de parentes. “Eles trazem galões de água. Tudo dela tem que ser esterilizado. É uma dificuldade”, explicou ela, que mora em Cordovil.

No Cachambi%2C Marluci e a vizinha Rosangela estão sem água desde o Natal. Em Cordovil%2C Lucinda tem ajuda de parentes para cuidar da mãeJoão Laet / Agência O Dia

Consumidor lesado pode cobrar danos

A Cedae informou que desde 2007 está substituindo 200 quilômetros de rede por ano. Na Zona Oeste, afirma investir R$ 200 milhões em obras. Já em São Gonçalo, inaugurou os reservatórios Colubandê e Marques Maneta, melhorando o abastecimento em 45%. Com o fim da obra de duplicação da nova adutora, em julho, o aumento será de 60%.

O advogado Fernando Bentes orienta consumidores lesados a juntar testemunhas e provas, como fotos e vídeos, para pedir ressarcimento e danos morais. “Primeiro, busca-se solução administrativa na ouvidoria da Cedae. Se não se resolver, junte o protocolo, as contas pagas e as provas e procure o juizado especial mais próximo”, recomenda.

Em Caxias, morador usa água de chuva

No site de queixas ‘Reclame Aqui’, regiões como zonas Oeste (Jacarepaguá, Recreio, Cosmos, Santa Cruz e Campo Grande) e Norte (Cachambi e Penha), além da Baixada Fluminense e São Gonçalo, lideram os últimos registros contra a Cedae.

Moradores de Neves, São Gonçalo, fazem racionamento de água. “O problema já tem seis meses e agora piorou. A Cedae fez obra, abriu um poço para trocar tubulação e não resolveu. Sofremos muito”, queixa-se a manicure Carmelita Silva, 56.

Em Duque de Caxias, muitos usam a água da chuva: “A água só chega uma vez na semana. Alguns pararam de pagar. Nos viramos. É banho 'de gato', de chuva ou nenhum”, disse o morador da Rua da Agricultura, Silvan Rodrigues, 44.

No Cachambi, Zona Norte, moradores de um condomínio na Rua Miguel Ângelo, se unem. “Compramos bomba e não adianta. No dia 1º, ficamos sem água. Tivemos que ir para as casas de parentes”, disse a aposentada Marluce Magalhães, 65. “Tenho que ir na casa de vizinhos dar banho na minha neta de seis meses”, reclamaRosangela Machado, 54.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia