Advogado entrega à polícia nome de suspeito que atirou rojão no Centro

Jonas Tadeu Nunes não revelou a informação à imprensa

Por bianca.lobianco

Rio - O advogado Jonas Tadeu Nunes, que defende o tatuador Fábio Raposo, foi à 17ª DP (São Cristóvão) para entregar o nome do suspeito de atirar o rojão que atingiu o cinegrafista da Band Santiago Andrade. Ele ficou na delegacia em torno de meia hora e não revelou o nome à imprensa. Santiago estava internado em estado grave desde a última quinta e teve morte cerebral nesta segunda-feira.

De acordo com o advogado, foi Fábio quem revelou o nome de uma pessoa próxima ao acusado. Jonas Tadeu Nunes está tentando convencer a pessoa a dar mais informações sobre o rapaz e segundo ele, caso o acusado se entregue, ele mesmo fará a defesa dos dois envolvidos na morte do profissional da Band.

"Em um determinado momento em que eu fiquei sozinho com o Fábio na delegacia, ele pediu que eu procurasse uma determinada pessoa e que esta pessoa ia me passar a identificação do rapaz. Eu já tenho o nome do rapaz, eu já tenho a qualificação dele e logo vai estar nas mãos da autoridade policial para o cumprimento da delação premiada”, afirmou o advogado em entrevista à Rádio CBN. 

Cinegrafista é atingido por artefatoReprodução Internet

Sérgio Cabral lamenta a morte de cinegrafista 

O governador Sérgio Cabral, enviou um comunicado lamentando a morte do cinegrafista Santiago Andrade. Em nota, Cabral afirmou que "a liberdade de imprensa é um bem que deve prevalecer como instrumento para o exercício do direito fundamental à informação". 

Segundo ele, "o direito de manifestação é fundamental para a democracia, mas a violência é inaceitável". O governador também afirma que o diálogo entre cidadãos e o poder público é o caminho para o aprimoramento da sociedade.

"O Estado se solidariza com a família de Santiago. E busca, observando o devido processo legal, a autoria do crime para que o responsável possa ser submetido à Justiça", conclui. 

Santiago Andrade foi atacado durante manifestação na última quinta-feiraReprodução Internet

Dilma determina que Polícia Federal auxilie nas investigações para punir os acusados

A presidenta Dilma Rousseff também se manifestou sobre a morte do cinegrafista da Rede Bandeirantes. Ela afirmou que é inadmissível que protestos democráticos "sejam desvirtuados por quem não tem respeito por vidas humanas". 

"A morte cerebral do cinegrafista Santiago Andrade, anunciada hoje, revolta e entristece. A liberdade de manifestação é um princípio fundamental da democracia e jamais pode ser usada para matar, ferir, agredir e ameaçar vidas humanas, nem depredar patrimônio público ou privado. Determinei à PF que apóie, no que for necessário, as investigações para a aplicação da punição cabível", disse em sua conta no Twitter. 

Black Blocks publicam nota de condolência em página do Facebook

Pelo Facebook, o grupo Black Bloc RJ postou nota de condolência à família do cinegrafista Santiago. Leia a nota na íntegra:

"MINHAS CONDOLÊNCIAS! Quero deixar minhas condolências a família do reporte cinegrafista da Band, Santiago! Quero também deixar minhas condolências as famílias do dois protestantes mortos pela polícia que já não lembramos mais os nomes. Quero deixar minhas condolências aos jornalistas, ativistas e transeuntes que ficaram cegos pelas balas de borrachas e bombas da polícia de junho para cá, que já esquecemos os nomes e a quantidade. Quero deixar minhas condolências ao manifestante que desapareceu, e que até hoje, assim como o Amarildo, ninguém sabe do corpo, mas que neste caso, nem há responsáveis ainda. Quero deixar minhas condolências AS MILHARES DE FAMÍLIAS DE MORTOS PELA POLÍCIA , INOCENTES QUE SE VÃO TODO ANO, SOMENTE NAS COMUNIDADES DO RIO DE JANEIRO! POR FIM! QUERO DEIXAR MINHAS CONDOLÊNCIAS A ESTE PAÍS, POR SEU POVO IGNORANTE E ALIENADO que agora discute um caso isolado como se fosse o todo desta questão!".

Família de cinegrafista autoriza doação de órgãos

A Rede Bandeirantes informou, nesta segunda-feira, que a família de Santiago Andrade autorizou a doação dos órgãos do cinegrafista. A presidenta do Sindicato dos Jornalistas do Rio de Janeiro, Paula Mairán, disse que o órgão se "posiciona contra qualquer violência nas manifestações". "Jornalista bom é jornalista vivo para relatar e reportar os fatos para a sociedade", afirmou.

O repórter Alexandre Tortoriello, que ganhou o prêmio Mobilidade Urbana com Santiago em 2010 e 2011, relatou, bastante abalado, sobre a sua convivência com seu colega de trabalho e amigo.

"Ele era uma das pessoas mais fáceis de lidar, mais fáceis de se gostar. Ninguém tem nada para falar contra ele. Eu tive a honra de ganhar dois prêmios com o Santiago. Depois que a gente ganhou, ele sempre falava 'Quando vamos ganhar um outro prêmio?'. Ele estava sempre pensando no melhor, sempre disposto a tudo. Sem dúvidas ele era muito companheiro nas dificuldades que a gente encontrava na rua. Era o mais cuidadoso de todos os cinegrafistas e acabou morrendo dessa forma. Estava rezando para ele se recuperar. Agora ele está junto de Deus, olhando para a gente aqui embaixo", declarou.

Mulher de Santiago faz um desabafo horas antes de saber da morte do marido

Horas antes de saber da morte do marido, Arlita Andrade, mulher de Santiago Andrade, fez um desabafo. "Meu marido está indo embora, eles destruíram uma familia". Ela condenou as ações violentas das últimas manifestações no Rio.

"Espero que estes rapazes que fazem isso pensem na mãe, na família, que a familia é tão importante. Meu marido está indo embora, pode ser outros, pode ter outra familia que pode ser destruída com isso, que façam coisa pacífica, porque só sendo pacífica a gente consegue as coisas. Não adianta esta violência, não leva a nada. Meu marido está indo embora e não há preço pra isso”, destacou.

Arlita Andrade condenou violências nas manifestaçõesReprodução TV Globo

A esposa do cinegrafista disse ter visto a entrevista de Fábio Raposo, preso neste domingo acusado de passar o artefato para uma outra pessoa, mas ressaltou a "falta de amor e violência".

“Eu vi ele pedindo desculpa, mas eu acho que o que falta neles é o amor, o amor pelas pessoas. Ele disse que foi sem intenção, que seja, mas meu marido estava trabalhando. Não tem amor dentro deles. Meu marido está indo embora, eles destruíram uma familia. Uma família que era unida, muito unida mesmo", disse Arlita.









Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia