Autoridades lamentam morte de cinegrafista

Presidenta Dilma Rousseff, Sérgio Cabral e Eduardo Paes emitiram mensagens à família de Santiago Andrade

Por bianca.lobianco

Rio - A morte cerebral do cinegrafista Santiago Andrade, nesta segunda-feira, comoveu amigos e familiares, profissionais da impresa e também autoridades. Santiago estava internado em estado grave no Hospital Municipal Souza Aguiar desde a última quinta-feira após ser atingido por uma bomba na cabeça durante manifestação nas imediações da Central do Brasil. Em sua conta no Twitter, a presidenta Dilma Rousseff determinou à Polícia Federal que auxilie nas investigações para punir os culpados envolvidos na morte do profissional da Rede Bandeirantes. Ela afirmou que é inadmissível que protestos democráticos "sejam desvirtuados por quem não tem respeito por vidas humanas".

Santiago Andrade foi atacado durante manifestação na última quinta-feiraReprodução Internet

"A morte cerebral do cinegrafista Santiago Andrade, anunciada hoje, revolta e entristece. A liberdade de manifestação é um princípio fundamental da democracia e jamais pode ser usada para matar, ferir, agredir e ameaçar vidas humanas, nem depredar patrimônio público ou privado. Determinei à PF que apóie, no que for necessário, as investigações para a aplicação da punição cabível", disse. 

Cabral diz que violência é inaceitável 

O governador Sérgio Cabral, também enviou um comunicado lamentando a morte de Santiago Andrade. Em nota, Cabral afirmou que "a liberdade de imprensa é um bem que deve prevalecer como instrumento para o exercício do direito fundamental à informação".

Segundo ele, "o direito de manifestação é fundamental para a democracia, mas a violência é inaceitável". O governador também afirma que o diálogo entre cidadãos e o poder público é o caminho para o aprimoramento da sociedade.

"O Estado se solidariza com a família de Santiago. E busca, observando o devido processo legal, a autoria do crime para que o responsável possa ser submetido à Justiça", conclui.

Paes diz que morte de cinegrafista é ataque à liberdade de informação

O prefeito Eduardo Paes lamentou profundamente o ocorrido. Ele mostrou solidariedade  à família e colegas da Rede Bandeirantes por meio de um comunicado. "A violência que tirou a vida do profissional da imprensa, no momento que exercia sua função, representa um ataque à liberdade de informação e às instituições democráticas".

"O prefeito espera que a tragédia ajude a sociedade a refletir sobre os limites entre o direito democrático de manifestação e os abusos que culminam em atos de vandalismo e violência. Todo e qualquer tipo de violência é inaceitável e não deve ser tolerado", diz o comunicado. 

Cinegrafista é atingido por artefato durante manifestação nas ruas do CentroReprodução Internet

Rede Bandeirantes diz que vai acompanhar as investigações do caso

A Rede Bandeirantes, empresa de comunicação na qual Santiago Andrade fazia parte, disse, por meio de comunicado, que vai "acompanhar e exigir, passo a passo, as investigações, o processo e a condenação dos envolvidos na morte do cinegrafista". 

"A tragédia que envolve a morte do cinegrafista Santiago Andrade – e que nos deixa arrasados diante da perda de um companheiro querido – é mais uma evidência de que a desordem está imperando nas ruas de nossas cidades. O desvairado que soltou a bomba assassina é um exemplar conhecido de baderneiro, como tantos que vêm espalhando o terror, infiltrados entre manifestantes. A força de reação que encontram não tem sido suficiente para intimidá-los. Pelo contrário, estão cada vez mais ousados e seguros nas suas ações violentas. A Band vai acompanhar e exigir, passo a passo, as investigações, o processo e a condenação desse assassino e de seu grupo. E, ao fazer isso, estará solidária não só com a família de Santiago Andrade. Mas com toda a família brasileira, que já não suporta viver cercada de tantas e variadas ameaças, sentindo-se numa terra de ninguém", diz a nota. 

Filha de cinegrafista publica carta sobre a morte do pai 

A jornalista Vanessa Andrade, de 29 anos, filha de Santiago, escreveu carta aberta à impresa relatando os últimos minutos de convívio com o pai. Segue abaixo o texto na íntegra. 

"Quando decidi ser jornalista, aos 16, ele quase caiu duro. Disse que era profissão ingrata, salário baixo e muita ralação. Mas eu expliquei: vou usar seu sobrenome. Ele riu e disse: então pode!

Quando fiz minha primeira tatuagem, aos 15, achei que ele ia surtar. Mas ele olhou e disse: caramba, filha. Quero fazer também. E me deu de presente meu nome no antebraço.

Quando casei, ele ficou tão bêbado, que na hora de eu me despedir pra seguir em lua de mel, ele vomitava e me abraçava ao mesmo tempo.

Me ensinou muitos valores. A gente que vem de família humilde precisa provar duas vezes a que veio. Me deixou a vida toda em escola pública porque preferiu trabalhar mais para me pagar a faculdade. Ali o sonho dele se realizava. E o meu começava.

Esta noite eu passei no hospital me despedindo. Só eu e ele. Deitada em seu ombro, tivemos tempo de conversar sobre muitos assuntos, pedi perdão pelas minhas falhas e prometi seguir de cabeça erguida e cuidar da minha mãe e meus avós. Ele estava quentinho e sereno. Éramos só nós dois, pai e filha, na despedida mais linda que eu poderia ter. E ele também se despediu.

Sei que ele está bem. Claro que está. E eu sou a continuação da vida dele. Um dia meus futuros filhos saberão quem foi Santiago Andrade, o avô deles. Mas eu, somente eu, saberei o orgulho de ter o nome dele na minha identidade.

Obrigada, meu Deus. Porque tive a chance de amar e ser amada. Tive todas as alegrias e tristezas de pai e filha. Eu tive um pai. E ele teve uma filha.

Obrigada a todos. Ele também agradece.

Eu sou Vanessa Andrade, tenho 29 anos e os anjinhos do céu acabam de ganhar um pai".

Advogado entrega à polícia nome de acusado de atirar rojão em cinegrafista

O advogado Jonas Tadeu Nunes, que defende o tatuador Fábio Raposo, foi à 17ª DP (São Cristóvão) para entregar o nome do suspeito de atirar o rojão que atingiu o cinegrafista da Band Santiago Andrade. Ele ficou na delegacia em torno de meia hora e não revelou o nome à imprensa. 

De acordo com o advogado, foi Fábio quem revelou o nome de uma pessoa próxima ao acusado. Jonas Tadeu Nunes está tentando convencer a pessoa a dar mais informações sobre o rapaz e segundo ele, caso o acusado se entregue, ele mesmo fará a defesa dos dois envolvidos na morte do profissional da Band.

"Em um determinado momento em que eu fiquei sozinho com o Fábio na delegacia, ele pediu que eu procurasse uma determinada pessoa e que esta pessoa ia me passar a identificação do rapaz. Eu já tenho o nome do rapaz, eu já tenho a qualificação dele e logo vai estar nas mãos da autoridade policial para o cumprimento da delação premiada”, afirmou o advogado em entrevista à Rádio CBN.



Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia