Manifestantes prometem novo protesto nesta segunda-feira na Central do Brasil

Cinegrafista foi ferido na cabeça durante ato na última quinta-feira. Grupo é contra aumento das passagens para R$ 3

Por cadu.bruno

Rio - Menos de uma semana após o último protesto, quando o cinegrafista da TV Bandeirantes acabou ferido com gravidade, manifestantes prometem novo ato nesta segunda-feira, às 18h, no Centro. Na página Black Bloc RJ no Facebook, o grupo usa palavras de ordem para convocar mais adeptos. "Não adianta, não tem arrego. Não vamos parar, o poder é nosso. Não tem aumento", escreveu um manifestante.

Os ativistas convocam o ato para a região da Central do Brasil, onde ocorreu o ataque ao cinegrafista na última quinta. Já a página "O Rio Vai Parar R$ 3,00 NÃO DÁ!", diz que o protesto vai ser realizado na Cinelândia. Os manifestantes são contra o aumento das passagens para R$ 3.

Manifestantes prometem novo protesto nesta segunda-feiraReprodução Internet

Na última quinta, o cinegrafista Santiago Andrade foi ferido na cabeça por um rojão disparado por um ativista na região da Central do Brasil. Desde então ele esteve internado em estado grave. Os médicos declararam a morte cerebral do cinegrafista nesta segunda. Indiciado como coautor da explosão do rojão que feriu o cinegrafista, Fábio Raposo Barbosa, 22, foi preso no início da manhã deste domingo.

Até às 10h, mais de cinco mil pessoas confirmaram presença no protesto desta segunda através da rede social.

'Meu marido está indo embora', diz mulher de cinegrafista

"Meu marido está indo embora, eles destruíram uma familia". A declaração é de Arlita Andrade, mulher do cinegrafista Santiago Andrade. Em entrevista à TV Globo, poucas horas após visitar o marido na UTI do Hospital Souza Aguiar, Arlita fez um desabafo e condenou as ações violentas das últimas manifestações no Rio.

"Espero que estes rapazes que fazem isso pensem na mãe, na família, que a familia é tão importante. Meu marido está indo embora, pode ser outros, pode ter outra familia que pode ser destruída com isso, que façam coisa pacífica, porque só sendo pacífica a gente consegue as coisas. Não adianta esta violência, não leva a nada. Meu marido está indo embora e não há preço pra isso”, destacou.

Arlita Andrade condenou violências nas manifestaçõesReprodução TV Globo

A esposa do cinegrafista disse ter visto a entrevista de Fábio Raposo, preso neste domingo acusado de passar o artefato para uma outra pessoa, mas ressaltou a "falta de amor e violência".

“Eu vi ele pedindo desculpa, mas eu acho que o que falta neles é o amor, o amor pelas pessoas. Ele disse que foi sem intenção, que seja, mas meu marido estava trabalhando. Não tem amor dentro deles, Meu marido está indo embora, eles destruíram uma familia. Uma família que era unida, muito unida mesmo", disse Arlita, que confirmou o estado gravísismo de Santiago.

"Os médicos disseram que o estado dele é grave, de manhã disseram que teriam desligado os aparelhos porque estavam somente aguardando ou um milagre ou a morte cerebral”.

Jovem que pegou rojão aceita colaborar com a polícia

O manifestante Fábio Raposo Barbosa foi preso no início da manhã deste domingo na casa da mãe e do padrasto, no Recreio dos Bandeirantes. Ele teve a prisão temporária decretada pela Justiça por 30 dias. Depois de muita negociação, Fábio aceitou colaborar com a polícia para identificar o outro suspeito de ter acionado o artefato.

De manhã, no apartamento do jovem, no Méier, foram apreendidos um computador, quatro celulares e roupa semelhante à que ele usa usava no dia do crime. 

Fábio, que já tinha se apresentado à polícia na madrugada de sábado, reafirmou na 17ª DP (São Cristóvão) ter passado o rojão para outro homem, que teria acendido o artefato, mas disse que não o conhece. Ele contou, porém, que já tinha visto o acusado em outros protestos e que vai cooperar para que a polícia faça retrato falado do foragido.

Fábio Raposo%2C que passou rojão a suspeito de ferir cinegrafista%2C chega à 17ª DP%2C de São Cristóvão. Ele foi indiciado por tentativa de homicídioCarlos Moraes / Agência O Dia

“Ajudando a polícia, agora vamos tentar reduzir a prisão dele de 30 para cinco dias e, posteriormente, a pena que vai cumprir”, afirmou o advogado do jovem, Jonas Tadeu Nunes. O delegado Maurício Luciano, porém, voltou a dizer que a polícia não tem dúvida de que o tatuador conhece o segundo suspeito. Imagens mostram que eles estavam juntos no protesto no momento da explosão.

Fábio, que já tinha registro por ameaça, dano ao patrimônio e associação criminosa, nos protestos de 2013, responde por homicídio qualificado por uso de explosivos e crime de explosão, que podem render 35 anos de prisão. Ele foi transferido para casa de custódia em São Gonçalo.

Segundo o delegado, na hora da prisão Raposo estava tranquilo, ao contrário da mãe, que permaneceu o tempo todo calada e de cabeça baixa. “Ele parecia que estava conformado e que já esperava pela prisão”, disse Luciano.

Enquanto Fábio prestava depoimento, alguns jovens que participam das manifestações entraram em conflito com jornalistas, pois ficaram irritados por terem sido filmados. Um cinegrafista os chamou de covardes. Como resposta, um ativista disse: “O próximo será você!” Na confusão, o cinegrafista golpeou ele com a câmera. Ambos, porém, resolveram não registrar o caso.

Pena pode até passar dos 35 anos

A polícia fez fotos ontem, na área de lazer do prédio onde Fábio Raposo mora, no Méier, de duas pichações, uma com a inscrição ‘Black bloc’ e outra com xingamento em inglês contra a polícia. Informalmente, conforme o delegado Maurício Luciano, um vizinho, que deverá ser convocado para depor, denunciou que Fábio, descrito como morador reservado e de poucos amigos, é quem teria feito a pichação.

“Além de possivelmente pedirmos a quebra de sigilo telefônico de Fábio, se for comprovado que ele tinha ligação com grupo violento que promove vandalismo e crimes em manifestações, será indiciado também por organização criminosa (associação de quatro ou mais pessoas que se juntam para cometer delitos), podendo somar entre três e oito anos de detenção, além dos 35 já previstos anteriormente, caso seja condenado”, afirmou Maurício Luciano.

Réu diz poder identificar o outro suspeito

Segundo o advogado Jonas Tadeu Nunes, Fábio Raposo deu todas as informações que tinha sobre o outro suspeito de acender o rojão que atingiu o cinegrafista Santiago Andrade. “Na minha opinião, não precisa de retrato falado, pois ele deu detalhes”, afirmou Nunes, sem, porém, falar que informações foram dadas pelo jovem.

O delegado Maurício Luciano de Almeida explicou que o rapaz “aparentemente está disposto a colaborar”, mas que só a Justiça pode autorizar a delação premiada, diante das informações passadas pelo suspeito. “Ele disse que consegue identificar o outro por fotos”, disse.

Antes, porém, o advogado tentará mudar a forma como a Polícia Civil tipifica a acusação contra Fábio Raposo (tentativa de homicídio). Para Nunes, o manifestante deve responder por lesão corporal de natureza culposa. “Só não avançamos mais porque não chegamos a um acordo.”

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia