Tráfico ataca UPP da Rocinha e fecha Zuzu Angel em madrugada tensa

Coronel Frederico Caldas, comandante das UPPs, e major Priscila, comandante da UPP da Rocinha, foram feridos em incursão durante a manhã. Bope e Choque estão no local

Por joyce.caetano

Rio - Moradores da Rocinha viveram mais uma madrugada de tensão provocada por intenso tiroteio durante a madrugada deste domingo.Traficantes atiraram em transformadores da comunidade, deixando várias ruas sem energia e atearam fogo em pneus na Autoestrada Lagoa Barra, interditando o túnel Zuzu Angel nos dois sentidos. O comandante das UPPs, coronel Frederico Caldas foi ferido na cabeça durante confronto. A comandante da UPP da Rocinha, major Priscila, também foi ferida. Ele foi levado para o Hospital da Polícia Militar. 

>>>GALERIA: Veja foto dos estragos causados pelo tiroteio

Homens do Bope e do Batalhão de Choque reforçam a segurança no local e fazem incursões na comunidade. Em nota, a Polícia Militar disse por volta das 11h, durante incursão na localidade conhecida como Macega, o coronel Frederico Caldas sofreu uma queda e teve escoriações leves. Ele foi encaminhado para o Hospital Central da Polícia Militar (HCPM), onde foi medicado e segue em observação. Segundo a nota, a major Priscila sofreu escoriações no pulso. Ambos passam bem.

De acordo com policiais, câmeras da UPP da Rocinha registraram 15 bandidos encapuzados e armados com fuzis  AK-47 na localidade conhecida como Roupa Suja e outros 10 bandidos na parte alta da comunidade. Ainda segundo os policiais da UPP, os 15 bandidos encapuzados atacaram a viatura da PM e os outros 10 foram os responsáveis por jogar uma granada na base da UPP na Rua Dois.

Assustados, motoristas voltavam pela contramão da via. Os Batalhões de Operações Especiais (BOPE) e de Choque realizam operação no local desde as 5h . “Foi um tiroteio digno dos velhos tempos”, disse um morador. Viaturas de outras UPPs e do 23º BPM (Leblon) reforçam o patrulhamento nos acessos à favela. Dois homens que seriam traficantes foram baleados e levados para o Hospital Miguel Couto. De acordo com moradores, um táxi foi metralhado na localidade Caminho do Boiadeiro.

Em nota, a Secretaria de Estado de Segurança Pública afirmou que vai alinhar estratégias de ação na região. "O secretário de Estado de Segurança, José Mariano Beltrame, esclarece que está em permanente contato com os comandos da Polícia Civil e da Polícia Militar para alinhar estratégias de ação. O secretário reitera à sociedade em geral - e aos moradores da Rocinha, em particular - que o Estado não vai recuar diante da tentativa de grupos criminosos voltarem aos locais que dominaram durante décadas. O programa de retomada de territórios das Unidades de Polícia Pacificadora beneficia mais de 1,5 milhão de pessoas e vai prosseguir sem qualquer chance de recuo", revela o documento.

Duas versões para o tiroteio

O tiroteio teria começado por volta das 3h30 em um bar da Rua do Valão. Segundo a PM, há duas versões para a causa do tiroteio. A primeira é de que andidos da mesma facção criminosa estavam armados com pistolas em um bar e houve uma desavença entre eles. A outra versão é de que se trata de uma guerra entre traficantes rivais.

Túnel Zuzu Angel é fechado depois que manifestantes colocaram fogo na saída da galeriaFabio Gonçalves / Agência O Dia

Os estampidos e a movimentação de moradores -- que fugiam dos disparos -- chamaram a atenção de PMs que entraram em confronto direto. Os dois feridos foram levados à UPA da Rocinha por comparsas, que chegaram a interditar a ‘Curva do S’ para que eles pudessem ser atendidos.

Com a intenção de dificultar o acesso de policiais ao local, os bandidos atiraram em transformadores e se posicionaram estrategicamente em outros pontos da comunidade, criando vários pontos de confrontos. Pelo Twitter, moradores denunciaram a presença de homens armados andando livremente pelas localidades conhecidas como Caminho do Boiadeiro, Roupa Suja, Rua Um e Via Ápia. “Foi um milagre que tenha ficado vivo”, disse um PM ao lado de uma viatura alvejada por pelo menos oito tiros.

Um táxi foi metralhado na localidade Caminho do Boiadeiro%2C na Rocinha%2C durante o confrontoDiego Valdevino / Agência O Dia

Bombas e tiros ao amanhacer

No início da manhã, na Autoestrada Lagoa Barra, o barulho de bombas e tiros ainda assustava moradores que queriam voltar para casa mas temiam subir as vielas do morro. Na entrada do Túnel Zuzu Angel, bombeiros tentavam apagar focos de incêndio. A fumaça que entrou no túnel impedia a visibilidade até as 7h10, quando o trânsito foi reaberto. Criminosos teriam usado o local como rota de fuga. Por volta das 11h20 deste domingo, houve mais disparos na Rua Um.

Às 13h30, duas viaturas do Bope e seis do Choque chegaram para dar reforço à operação.

Prejuízo para o comércio

O Mercadinho Imperial, localizado na Rua Servidor Leste, foi atingido por quatro disparos e só está funcionando neste domingo porque tem um gerador. "Tivemos que usar gerador de energia para que o mercado funcionasse. O vidro do freezer foi completamente destruído. Felizmente o mercado estava fechado na hora do tiroteio", disse Thiago Silva, de 19 anos, funcionário do estabelecimento.

Os comerciantes que não têm gerador sofrem com o prejuízo causado pela falta de luz. "Em um domingo de calor, em menos de duas horas, vendo duas caixas de cerveja. Sem energia elétrica, não vendi nem 15 garrafas. Em compensação, aumentaram as vendas de cachaça. Mas ainda estou tendo um prejuízo enorme", disse o comerciante Luis Fernandes, que tem um bar na Rua Servidor Leste.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia