PMs vivem penúria em UPPs que imploram por reformas

Pelo menos oito unidades estão em más condições. No Dona Marta, entrada virou lixeira

Por adriano.araujo , adriano.araujo

Rio - Principal projeto de segurança do governo do estado, com ampla visibilidade internacional, as Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) estão vivendo dias difíceis. Especialmente para os policiais. E não é apenas por causa dos tiroteios. Pelo menos oito precisam de reparos urgentes. É o caso do Dona Marta, em Botafogo, a menina dos olhos da Secretaria de Segurança Pública. Um dos postos é a casa onde morou o traficante Marcinho VP, mas que está em péssimas condições. Parte do reboco está despencando, as paredes estão cheias de infiltrações, há fios expostos e falta um pedaço da porta de madeira. O cenário de abandono leva moradores a despejarem o lixo de suas casas na entrada da unidade.

Não há ar condicionado, e o efetivo passa o dia dentro da ‘sauna’ nos dias de verão, com a temperatura ultrapassando os 40°C. A secretaria garantiu que planeja a “criação de salas, revisão da parte elétrica, substituição das portas e janelas de madeira por aço, telhado e pintura”. A falta de equipamento para refrigerar as instalações da pacificação no calor carioca é um das reclamações mais constantes dos policiais.

Num posto do Morro Dona Marta o cenário é de total abandono%3A há infiltrações%2C fios e vergalhões expostos e despejo de lixo perto da portaAndré Mourão / Agência O Dia

Goteiras

Em uma outra base da UPP, na parte baixa da comunidade, policiais sofrem com infiltrações e do teto chega a vazar água em dias de chuva.

Estas reformas e de outras unidades serão financiadas pela prefeitura, que vai investir R$ 13 milhões para fazer as obras. O dinheiro viria do empresário Eike Batista, que, ao sair do projeto, deixou de aplicar R$ 20 milhões.

No morro dos Prazeres, em Santa Teresa, onde a UPP funciona em contêineres desde 2011, o efetivo ficou três dias sem água. A água para beber é doada pelos comerciantes. Apesar da escala de plantão, que os obriga a passar o dia no local, não tem estrutura de copa e cozinha. As refeições são feitas no mesmo lugar onde sentam para o trabalho. E uma janela de vidro quebrada está à espera de conserto.

No Morro dos Prazeres%2C mangueira faz o abastecimento de uma base da UPPEstefan Radovicz / Agência O Dia

“Acho um absurdo como tratam esses policiais. Os contêineres ficam ao lado de uma encosta que teve deslizamento de pedra”, afirmou a presidente da Associação de Moradores do Prazeres, Eliza Brandão. A Secretaria Municipal de Obras afirmou que o local não está em área de risco mapeadas nos Prazeres. Já, segundo a Secretaria de Segurança Pública, os contêineres serão substituídos por alvenaria. “Quando essa base for erguida, será solicitado o acompanhamento das obras pela GeoRio”, afirmou a Seseg.

Numa das instalações das comunidades Chapéu Mangueira/Babilônia, a situação não é diferente. Um fio exposto segura uma lâmpada, há cadeira quebrada e um papelão fecha um buraco do ar-condicionado há meses é esperado.

No Chapéu Mangueira%2C papelão no lugar do ar condicionadoEstefan Radovicz / Agência O Dia

Uma sede definitiva para a Vila Cruzeiro

Das 37 UPPs, oito funcionam em contêineres: Turano, Prazeres, Vila Cruzeiro, Parque Proletário, Rocinha, Lins, Arara/Mandela e Jacarezinho. São nessas que as condições sãos as piores. “É humilhante. Os colchões são sujos e a gente tem que trazer lençol de casa para forrar”, reclamou um policial, que reclama de um detalhe polêmico: “As bases não são blindadas. Isso jamais deveria ocorrer.”

O deputado estadual Flavio Bolsonaro (PP) disse que recebe diariamente reclamações de policiais. “Lamento que instalações provisórias se tornaram permanentes. Reconheço que tem ocorrido muitas melhoras por causa do projeto, mas é preciso humanizar o tratamento dado aos policiais”, afirmouo parlamentar.

Dos R$ 13 milhões que a prefeitura vai investir nas reformas, R$ 5,020 milhões serão destinados à construção de uma sede definitiva para os policiais militares na favela da Vila Cruzeiro e para reparos nas bases da comunidade da Chatuba e do Morro da Fé, no Complexo da Penha.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia