Paes rebatiza ação social em UPPs para superar estigma

Prefeito quer desvincular políticas públicas das relacionadas à segurança nas favelas ocupadas

Por thiago.antunes

Rio - A Prefeitura do Rio decidiu rebatizar o nome de seu programa realizado em comunidades pacificadas. Sai o UPP Social e entra o Rio Mais Social. A retirada da sigla de um dos principais projetos do município é uma tentativa de desvincular ações de políticas públicas das relacionadas à segurança nas favelas ocupadas pelas forças policiais. Além da troca do nome, o programa ganhou um reforço de caixa: ontem, o prefeito Eduardo Paes anunciou mais R$ 888 milhões em investimentos sociais nas áreas com UPP.

Durante o discurso de apresentação do Rio Mais Social, ontem na Rocinha, Paes rebateu as críticas de que a falta de ações sociais nestas comunidades compromete a segurança: “É um crime alguém dizer que a prefeitura não estava presente em alguma área e, por isso, ela era violenta”.

Como exemplo, o prefeito citou a Maré, onde já existiam 40 unidades escolares antes do processo de pacificação. “Então não era por falta de escola que o tráfico de drogas estava lá. Talvez fosse mais por falta de vergonha na cara das forças policiais de impedirem que o tráfico dominasse”, disse Paes.

O projeto Morar Carioca%2C no Complexo do Alemão%2C é um dos investimentos feito pela Prefeitura durante o UPP Social nos últimos cinco anosDivulgação

A mudança do nome do programa foi comemorada pelos agentes que trabalham no projeto. “A equipe ficou muito satisfeita. O nome UPP Social era vinculado à polícia e parecia que era o braço social dela. Uma boa parte dos moradores ainda tem medo e resiste a qualquer coisa que tem a ver com a polícia. Isso estava dificultando o trabalho dos agentes”, declarou Eduarda La Rocque, presidente do Instituto Pereira Passos, que coordena o atual Rio Mais Social, antigo UPP Social.

Além da apresentação dos novos investimentos municipais em áreas pacificadas, o prefeito também fez um balanço dos cinco anos de UPP Social. Desde 2009, foram investidos R$ 1,8 bilhão em realizações que beneficiaram mais de 700 mil moradores. De todos os recursos, o projeto de urbanização, como o Morar Carioca, que no Complexo do Alemão conta com uma Praça do Conhecimento, foi o serviço que mais recebeu verba, com R$ 950 milhões.

O prefeito Eduardo Paes esteve ontem na Rocinha%2C para anunciar o programa Rio Mais SocialDivulgação

Na saúde, as Clínicas da Família atingiram a cobertura total em 12 das 23 comunidades pacificadas, com verba de R$ 56,88 milhões. A meta é que o programa seja 100% implantado em todas as favelas com UPP até 2016. Durante a prestação de contas, o prefeito também fez questão de frisar que o município já desembolsou mais de R$ 200 milhões com complemento salarial dos PMs que atuam nas áreas pacificadas. “Além de cumprir com a nossa obrigação, também pagamos parte do salário dos policiais”, encerrou.

Escolas precárias vão receber mais investimentos

O prefeito Eduardo Paes afirmou ontem que tomará providências sobre os problemas de infraestrutura nas escolas do Rio encontrados pelo Tribunal de Contas do Município (TCM). Conforme O DIA publicou na última quinta-feira, uma vistoria do tribunal constatou que 30,7% de 195 escolas visitadas por auditores do TCM estavam precárias em termos de infraestrutura, alimentação fornecida aos alunos e no número de disciplinas sem aulas.

“O TCM faz um trabalho fundamental e sério e temos que ajeitar esses problemas que vão sendo identificados. É papel da prefeitura ajustar”, disse. O prefeito também afirmou que verá “em detalhes” o relatório. “É uma análise por amostragem importante feita pelo tribunal que nós vamos acompanhando.”
Além disso, também declarou que vai construir mais 200 escolas no município. “A nossa prioridade é sempre construir novas unidades e reformar colocando de forma qualificada as unidades que a gente dispõe”, declarou.

Mais R$ 888 milhões

A educação será o foco principal dos próximos investimentos da prefeitura nas UPPs. Dos R$ 888 milhões do programa Rio Mais Social, R$ 562 milhões serão para construção de 53 novas unidades escolares e reforma das já existentes. Para reforçar o compromisso do município com as comunidades, uma nova escola, com capacidade para 500 alunos, será inaugurada na Rocinha no ano que vem. O prédio ocupará a área ao lado do Ciep Bento Rubião, próximo à Curva do S. A nova unidade contará com sete salas de aula, espaço integrado com biblioteca e ambiente de informática e laboratórios.

Urbanização e saúde serão os outros serviços prioritários do município. Doze comunidades vão receber o programa Morar Carioca, que leva, além da moradia, serviços de abastecimento de água, esgotamento sanitário, drenagem pluvial, iluminação pública e pavimentação. A verba prevista para as operações de infraestrutura é de R$ 286 milhões.

Toda prestação de contas dos novos recursos destinados ao programa Rio Mais Social ficará disponível no novo site do projeto (www.rio.rj.gov.br/web/ipp/riomaissocial). As ações poderão ser consultadas através de um mapa interativo que leva detalhes dos investimentos de políticas públicas nas UPPs. “Queremos deixar tudo de forma transparente”, afirmou o prefeito Eduardo Paes.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia