Policiais federais suspendem paralisação após reunião com ministros

Categoria contesta publicação de Medida Provisória que garante melhorias para delegados

Por paloma.savedra

Rio - Depois de anunciarem uma paralisação de 72 horas para esta quarta-feira - junto com outros sindicatos regionais do país -, e participarem de uma manifestação na noite desta terça-feira, os policiais federais do Rio anunciaram a suspensão da greve. A decisão foi tomada pela Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef), após uma reunião com representantes do governo, em que, segundo a entidade, eles firmaram "um compromisso para solucionar a crise na Polícia Federal". O encontro foi com o ministro interino da Casa Civil, Valdir Simão, e o Ministro da Secretaria de Relações Institucionais, Ricardo Berzoini.

A paralisação era em protesto à Medida Provisória (MP) 657, publicada no dia 14, garantindo melhorias aos delegados, e também para reivindicar uma reestruturação da Polícia Federal. O Sindicato dos Servidores do Departamento de Polícia Federal no Rio de Janeiro alega que a MP define "melhorias injustificadas para os delegados", e critica a sua edição em período eleitoral.

No ato desta terça-feira, realizado antes da reunião com representantes do governo, os agentes federais se reuniram em frente ao prédio da Petrobrás, no Centro do Rio, com roupas pretas e cartazes com os dizeres “SOS Polícia Federal - Reestruturação já”.

Presidente do Sindicato dos Servidores do Departamento de Polícia Federal no Rio de Janeiro, André Vaz de Mello afirmou que acompanhará as medidas tomadas pelo governo: "A Fenapef entendeu que, mais uma vez, vai dar um voto de confiança ao governo. Vamos acompanhar os desdobramentos para avaliar o melhor a fazer não só para a categoria como para a população que, como nós, precisa e merece a reestruturação da segurança pública já", disse.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia