A cada mês, nove policiais militares são mortos no Rio

Última vítima foi soldado do BPM de Irajá, em Guadalupe

Por thiago.antunes

Rio - A morte do soldado Anderson Senna Freire, na madrugada desta quarta-feira, em Guadalupe, fez o Rio chegar a um índice alarmante: em cada um dos últimos 11 meses, em média, nove policiais militares foram assassinados — 85 em dias de folga e 18 em serviço, de janeiro até as 21h desta quarta. Em 2013, 111 agentes morreram assassinados.

Lotado no 41º BPM (Irajá), Anderson foi baleado na cabeça durante um ataque de bandidos. O colega dele, o soldado Bruno de Moraes, foi ferido no ombro e está internado no Hospital Estadual Albert Schweitzer , em Realengo.

PMs são baleados em Niterói e São Gonçalo

De acordo com o Serviço Reservado do batalhão, os dois PMs encerrariam o serviço à 1h e retornariam para a unidade. Quando passavam pela Avenida Brasil, foram atacados por ocupantes de um Fiat Punto prata. Segundo testemunhas, os bandidos desceram do veículo disparando. Pelo menos três tiros perfuraram o vidro dianteiro e a lataria da viatura. Surpreendidos, os policiais não tiveram tempo de reagir e acabaram baleados.

Tiros perfuraram vidro de viatura e atingiram dois policiais que faziam ronda em Guadalupe%2C na madrugada desta quarta-feiraFoto do leitor

Após os disparos, os bandidos fugiram pela Rua Luiz Coutinho Cavalcanti. A via dá acesso às comunidades do Muquiço e da Palmeirinha. O local do crime fica a nove quilômetros da Rua Vigilante Fortunato, em Bangu, onde foi abandonado o corpo do soldado Ryan Procópio, torturado e morto 24 horas antes. A Divisão de Homicídios também assumiu as investigações sobre o ataque aos policiais em Guadalupe.

No Centro, outro PM foi vítima de tiro na madrugada de ontem. O sargento do 5º BPM (Praça da Harmonia), que não teve o nome divulgado, foi ferido quando abordava um motociclista na Rua do Livramento. O suspeito atirou contra o policial e fugiu. A bala atingiu o cinto do PM, que amorteceu o disparo, e ficou alojada na musculatura.

A vítima foi encaminhada para o Hospital Central da Polícia Militar, no Estácio, onde foi operada e liberada. De acordo com policiais do batalhão, o cinto, que é obrigatório no uniforme, pode ter salvo a vida do sargento. Eles alegaram que o acessório diminuiu a pressão da bala e evitou que o ferimento fosse mais profundo.

Pezão critica órgãos de direitos humanos

O governador Luiz Fernando Pezão criticou nesta quarta representantes de direitos humanos e cobrou penas mais duras para quem mata policiais. “Poucas vezes a gente vê os órgãos de direitos humanos se manifestarem quando morre um policial. Nossos policiais, que estão aí tentando levar a paz e a tranquilidade, e vêm sendo assassinados, merecem também essa solidariedade. Acho que a gente precisa de penas mais duras. Tinha discutido já em abril a pena mais severa para quem matar o policial”, afirmou.

Depois da barbárie contra o soldado Ryan Procópio e com o número de oito policiais baleados somente esta semana, agentes das polícias Civil e Militar começaram mobilização através das redes sociais para uma passeata contra a violência. A ideia é marchar pela orla de Copacabana, levando o maior número possível de policiais, para um manifesto lembrando as vítimas. Nas redes, o chamado foi divulgado com o slogan: ‘A vida do policial é sagrada, como toda vida é. Juntos somos fortes’.

O policial Anderson será enterrado na manhã de hoje no Cemitério Jardim da Saudade de Mesquita, na Baixada Fluminense. O comandante-geral da corporação, coronel Ibis Silva, confirmou presença no velório. Até a noite de ontem, investigadores da Divisão de Homicídios ainda não tinham pistas sobre os assassinos do sargento.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia