Vídeo mostra prefeito de Itaguaí limpando Ferrari apreendida pela PF

Veículo, avaliado em R$ 1,5 milhão, faz parte do inquérito que investiga Luciano Mota por desvio de recursos públicos

Por O Dia

Rio - Três dias após a aprovação pela Câmara de Vereadores de Itaguaí da criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar denúncias de desvios de recursos públicos, um vídeo enviado ao WhatsApp do DIA (98762-8248) mostra o prefeito Luciano Motta (PSDB), alvo da investigação, limpando uma Ferrari apreendida pela Polícia Federal em setembro do ano passado. O veículo, avaliado em R$ 1,5 milhão, faz parte do inquérito que apura as irregularidades na gestão de Mota.

No vídeo, o prefeito aparece com um pano na mão auxiliando um homem não identificado na limpeza da luxuosa Ferrari, modelo 458 Itália. Na ocasião da apreensão, Mota disse que veículo foi alugado em 2013 e devolvido em dezembro do mesmo ano.

Após decisão na Justiça, a Polícia Federal teve que devolver o veículo para uma pessoa que se apresentou como proprietário. Na época, a PF disse que não ia se manifestar sobre esse assunto, por ser um procedimento que tramita em segredo de Justiça.

Mais jovem prefeito do estado%2C Luciano Mota é investigado pela Polícia Federal por desvio de recursos públicosDaniel Castelo Branco / Agência O Dia

LEIA MAIS:
CPI vai investigar denúncias contra o prefeito de ItaguaíPF investiga uso de Ferrari por prefeito de Itaguaí

A CPI aprovada para apurar as irregularidades será presidida pelo vereador Jaílson Barboza (PRP) e terá a participação de Noel Pedrosa (PT do B) e de Willian Cezar (PT) . A votação, em sessão ordinária, teve a participação de apenas seis vereadores, o quórum mínimo exigido pelo Estatuto. Para tentar garantir uma discussão mais ampla, o presidente da Câmara, Nisan César, enviou ofício a cada um dos 17 integrantes. Mas a maioria, principalmente o grupo próximo ao prefeito, não apareceu como manobra para tentar evitar a criação da CPI.

O objetivo da Comissão é investigar a conduta do prefeito, que foi acusado em dezembro de liderar uma quadrilha que desviou R$ 30 milhões do município. Estariam no esquema secretários municipais, empresários e servidores, além de vereadores.

As suspeitas contra Luciano Motta surgiram por causa da ostentação de bens de alto preço.Numa lista que seria de bens do prefeito investigados estariam ainda uma Land Rover, uma lancha, um Porsche e uma moto BMW, além de imóveis e um helicóptero.

Últimas de Rio De Janeiro