Menina de cinco anos é baleada em confronto entre PMs e bandidos em Belford Roxo

Em protesto, grupo incendiou ônibus da Viação Flores da rua do 39º BPM

Por marcello.victor

Menina baleada em Belford Roxo Osvaldo Praddo / Agência O Dia

Rio - Uma menina de 5 anos foi baleada enquanto andava de bicicleta, no Bairro Santa Amélia, em Belford Roxo. Segundo a Polícia Militar, os agentes foram recebidos a tiros quando foram checar uma denúncia de tráfico de entorpecentes no local, próximo ao Morro Rola Bosta. Em retaliação, bandidos atearam fogo a um ônibus da linha 445 (Xerém x Nova Iguaçu), da Viação Flores, de acordo com a PM.

O avô da menina, que pediu para não ser identificado, disse que a neta brincava quando foram ouvidos pelo menos três disparos, por volta das 21h de sexta-feira. A bala atravessou o abdômen. A menina foi socorrida e levada no carro da família para o Hospital da Posse, no município vizinho de Nova Iguaçu.

“Mesmo depois de ela ter sido baleada, o tiroteio continuou. Uma vizinha foi ferida de raspão na perna e eu, por pouco, não fui”, desabafou o avô. Segundo uma tia que pediu para não ser identificada, a menina passou por cirurgia e seu estado de saúde é grave.

Após o incidente, bandidos atearam fogo no ônibus. Os passageiros que estavam no coletivo ficaram assustados, pois o veículo teria sido apedrejado com eles ainda dentro. A Polícia Civil está investigando de onde partiram os disparos, e aguarda os depoimentos dos parentes da menina.

Uma cápsula de fuzil, que teria sido usado durante o tiroteio, foi entregue na 54ª DP (Belford Roxo), que investiga o caso. Os PMs que participaram do confronto foram ouvidos e os sete fuzis que portavam, apreendidos.

De acordo com a PM, foram apreendidos 145 sacolés de maconha, 12 frascos de loló, três sacolés de skank, 45 pedras de crack, 75 pinos de cocaína, um radio transmissor e R$ 50 reais em espécie. A ocorrência foi encaminhada para a 54ª DP. O 39º BPM também abriu um inquérito.

Segundo o avô, que se aposentou recentemente, seu objetivo era sair do Rio de Janeiro ainda este ano, por causa da violência. Ele garantiu que vai esperar a neta se recuperar e recomeçar uma vida em outro lugar com a família. “No Rio não dá mais. Moro há mais de 30 anos aqui em Belford Roxo. De cinco anos para cá, a coisa piorou muito aqui. Antes eu dormia de janela aberta. Meu muro agora é alto”, disse. 

Casos que se repetem

Apenas no mês de janeiro foram registrados 24 casos de balas perdidas, na Região Metropolitana. Entre as vítimas, há crianças que não resistiram aos ferimentos e morreram. Um dos casos foi o de Larissa Carvalho, de apenas 4 anos, que morreu depois de ser atingida na cabeça, no dia 16 de janeiro, ao sair de um restaurante em Bangu com a família.

Já Asafe Ibrahim, de 9, foi baleado no olho, dentro do Sesi de Honório Gurgel, na Zona Norte. A criança chegou a ficar internada, mas não resistiu e também morreu dias depois. Lavínia Cordeiro Crissiullo estava brincando no colo de uma vizinha quando foi atingida na perna. Ela sobreviveu.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia