'Daciolo quer ser expulso do Psol', diz Renato Cinco

Vereador critica deputado bombeiro, que apresentou PEC incluindo 'Deus' na Constituição Federal um dia antes da Executiva Nacional do partido

Por O Dia

Rio - O deputado federal (Psol-RJ) Cabo Daciolo ignorou de vez todas as ponderações feitas por seu partido  — que defende a liberdade religiosa e o estado laico — e apresentou nesta quarta-feira a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) para alterar o texto do artigo 1º da Constituição Federal para "Todo o poder emana de Deus". Mesmo sendo advertido pela legenda, o parlamentar insistiu e defendeu a proposta no plenário da Câmara dos Deputados, um dia antes da Executiva Nacional do partido, marcada para amanhã, e que discutiria o seu caso. Para o vereador Renato Cinco (Psol-RJ), Daciolo quer ser expulso do partido: "É a única razão. A fé dele não justifica essa medida". 

Leia mais:

Daciolo contraria Psol e apresenta PEC para alterar a Constituição

Psol do Rio pede expulsão de Cabo Daciolo

Freixo reprova proposta de deputado bombeiro de incluir Deus na CF

"Eu faço política há 30 anos e nunca vi um parlamentar provocar tanto o seu partido. Há quatro semanas que ele faz duas ou três provocações. A única razão para isso é que ele queira ser expulso. A fé dele não justifica essa medida", criticou Cinco, que lembrou a reunião da Executiva Nacional do Psol nesta quinta-feira. O fato fortalece o pedido feito pelo Psol do Rio de expulsão de Daciolo do partido. Apenas a Comissão de Ética do Psol poderá julgar o caso e decidir pela saída do deputado da legenda.

Deputado federal (Psol-RJ) Cabo Daciolo apresentou, nesta quarta-feira, na Câmara dos Deputados, a PEC que inclui Deus na Constituição Federal%2C contrariando seu partido que defende o estado laicoReprodução Internet

O vereador chegou ainda a classificar a proposta "fundamentalista": "Muitos outros não tiveram coragem de apresentar uma proposta tão fundamentalista. É escandaloso demais mudar a Constituição Federal para 'todo poder emana de Deus'. Nem Marco Feliciano (PSC-SP) teve essa ousadia", opinou.

Segundo Cinco, até mesmo as lideranças do Psol que eram favoráveis à permanência do deputado bombeiro já não se manifestam em sua defesa. "Essas mesmas pessoas chegaram a se manifestar publicamente dizendo que ele passou dos limites".

Em seu discurso na Câmara nesta quarta-feira, Daciolo ainda pediu diálogo com o partido. "O Psol não vai discutir isso. Ele quer retroceder para um estado teocrático. O poder emana de Deus? E quem vai ser o imperador?", disparou Cinco.

Além de contrariar a defesa do estado laico, feita por seu partido, Daciolo irritou ainda mais os psolistas ao militar, na semana passada, pelos PMs acusados de matar e esconder o corpo do pedreiro Amarildo, na Rocinha. Os policiais estão presos preventivamente e Daciolo vem lutando pela liberdade deles.  Em nota, a Executiva Estadual do Psol se "solidarizou" com a família de Amarildo, e afirmou que Cabo Daciolo "envergonha" o partido e sua militância.

No entanto, ainda no início de seu mandato, o bombeiro também já havia irritado partidários quando tirou uma foto ao lado do deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ), adversário político de sua legenda. Bolsonaro encampa bandeiras combatidas pelo Psol, como o Regime Militar.



Últimas de Rio De Janeiro