Por marlos.mendes

Rio - Uma manifestação contra o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, reuniu entre 6 e 8 mil mulheres e parou o Centro do Rio de Janeiro no início da noite. O protesto teve início em frente à Assembleia Legislativa, seguiu pela Avenida Rio Branco ocupando cerca de quatro quarteirões até chegar à Cinelândia. A Polícia Militar acompanhou as manifestantes e não houve confronto entre as partes.

Mulheres levaram seus filhos à passeataCaio Barbosa / Agência O Dia

O ato foi marcado pelo Facebook e, pedia o afastamento imediato de Eduardo Cunha, e também a saída do secretário-executivo de coordenação de governo da Prefeitura do Rio, Pedro Paulo Teixeira, que confessou ter agredido a ex-mulher, Alexandra Marcondes.As manifestantes também protestavam contra a criminalização do aborto, e contra a redução da maioridade penal.

“É inaceitável um país governado por uma mulher ter, na presidência da Câmara, não um deputado, mas um oportunista, chantagista, que diz em campanha que o povo merece respeito mas quando chega no poder mostra desprezo por este povo”, protestou a estudante Márcia Dias, de 20 anos

Manifestantes caminharam até a Cinelândia com faixas e cartazesCaio Barbosa / Agência O Dia

Na linha de frente do protesto, dezenas de mulheres caminhavam com seus bebês de colo. Algumas inclusive amamentavam, sob o olhar atento de policiais. A equipe do DIA não encontrou nenhuma policial feminina. Apenas policiais homens estavam presentes na manifestação.

“Está errado, afinal, pela lei, uma mulher só pode ser revistada por outra mulher”, lembrou uma manifestante.
A coragem das mulheres que levaram as crianças de colo ao protesto chamou a atenção de quem passava pelo Centro. Caso da vendedora Leandra Sá, de 25 anos.

“É preciso ter coragem e é bonito de ver. Acho que deu dignidade à manifestação. Uma dignidade que está faltando à maioria dos parlamentares que hoje estão em Brasília”, comentou Leandra.

Você pode gostar