Os idosos conversam e assistem à televisão na sala de estar  - Divulgação PMNI
Os idosos conversam e assistem à televisão na sala de estar Divulgação PMNI
Por O Dia
Nova Iguaçu - Com a ampliação de dez para 33 vagas, a Casa de Acolhida para a Terceira Idade Dourados Laranjais (CATI), será reinaugurada nesta sexta-feira, dia 29, às 11h, pela Prefeitura de Nova Iguaçu. O espaço, que foi reformado e atende idosos em situação de vulnerabilidade social, abandono, vítimas de violência e que estejam sobre medida protetiva, continua localizado na Rua Sá Rego, sem número, no bairro Caioaba.

No momento, 15 idosos residem no local, que vai ganhar 30 vagas permanentes e outras três de pernoites (quando o idoso fica apenas por um tempo em situação emergencial, sem residir no espaço). O CATI passa de dois para seis quartos com camas individuais, dois banheiros masculinos e outros dois femininos, uma dispensa para armazenar alimentos. Os idosos serão separados por alas.

“Ampliamos o local com novos quartos, sala, teremos um refeitório, espaço para exercícios, um jardim com pomar e quintal amplo, além de um galinheiro, que acaba aproximando os idosos dos animais, humanizando mais o ambiente”, comentou a superintendente de Proteção Social Especial da Secretaria Municipal de Assistência Social, Samantha da Silva Nazareth. “Fornecemos um local mais aconchegante para idosos em situação de vulnerabilidade e com medida protetiva. Com a reforma do CATI, eles sentem mais acolhidos”.

O CATI oferece atendimento com psicólogo, assistente social e cuidador de idoso, além de atividades educativas e lúdicas. Durante a reinauguração do novo espaço, haverá apresentação do coral do Espaço Municipal da Terceira Idade (Esmuti).“Essa reinauguração traz a ampliação do primeiro equipamento público de longa permanência para idosos de Nova Iguaçu”, afirmou a secretária de Assistência Social, Elaine Medeiros.

Ela observou que além de atender à Tipificação dos Serviços Socioassistenciais, o CATI. “Sempre trabalhamos na perspectiva da reinserção social, acolhemos e damos dignidade a idosos sem vínculo familiar, que vivem em situação de abandono e não têm condições de prover a própria subsistência", garantiu Elaine Medeiros.

Desde dezembro de 2018 morando no CATI, o pernambucano Dorgival Florentino Rodrigues de Oliveira, de 61 anos, elogiou as novas instalações e já adiantou que vai cuidar diariamente do jardim e do galinheiro. “O local ficou mais bonito e está com pintura nova. Estou me sentindo mais em casa com esse jardim e ainda vou aprender a criar galinhas. Ainda faz bem para nossa saúde”, afirmou Dorgival, que estava em situação de rua até que foi acolhido pelo CATI, onde manifestou desejo de voltar a estudar.

Segundo assistentes sociais do espaço, Dorgival trabalhava como pedreiro até ter problemas na coluna e não conseguir mais se sustentar financeiramente.
Publicidade
Fundada em dezembro de 2015, a CATI recebe idosos encaminhados pelo Ministério Público ou diretamente por equipamentos da Secretaria Municipal de Assistência Social (SEMAS), como o Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas) e o Centro de Referência Especial para Pessoa em Situação de Rua (Centro Pop).