Os produtos impróprios foram devidamente descartados e nove estabelecimentos do município foram autuados por estarem em desacordo com as normas de higiene e segurança do consumidor - Divulgação
Os produtos impróprios foram devidamente descartados e nove estabelecimentos do município foram autuados por estarem em desacordo com as normas de higiene e segurança do consumidorDivulgação
Por Ana Clara Menezes
Rio das Ostras - O Procon Rio das Ostras realizou, durante o mês de agosto, uma mega operação de fiscalização nos supermercados do município, visando coibir a prática abusiva da venda de produtos impróprios para o consumo. O objetivo da ação foi fortalecer a proteção dos consumidores riostrenses que, dentro de uma pandemia poderiam vir a contrair uma intoxicação alimentar pelo consumo desses produtos, e sobrecarregar assim o Sistema Público de Saúde.
Foi constatado pela equipe de fiscalização a quantidade aproximada de 300 quilos de produtos impróprios para o consumo, em diversos estabelecimentos da cidade. Os produtos impróprios foram devidamente descartados e nove estabelecimentos do município foram autuados por estarem em desacordo com as normas de higiene e segurança do consumidor.
Publicidade
O coordenador-executivo do Procon Rio das Ostras, Rafael Macabú, informou que após a operação dos mercados, a equipe continuou com o trabalho de orientar os estabelecimentos da cidade, sobre as normas de prevenção ao contágio da covid-19.
“Também realizamos operações nos açougues do município, visando coibir a prática da venda de carne pré-moída, conduta essa proibida no estado do RJ, somente sendo permitido caso a carne seja moída imediatamente na presença do consumidor, ou se o estabelecimento possuir um selo de autorização expedido pela vigilância sanitária”, explicou Rafael.
Publicidade
O Procom ressaltou que, caso o estabelecimento não esteja cumprindo as regras do Código de Defesa do Consumidor e as medidas sanitárias, o consumidor pode fazer a denúncia ou reclamação através dos canais de atendimento: (22) 2771-6581 e [email protected] É possível também enviar pelo e-mail fotos dos estabelecimentos que não estiveram cumprindo as medidas.