Adriana Ancelmo, ex-primeira dama, janta e toma café com outras detentas

Mulher do ex-governador Sérgio Cabral está em uma cela individual no Complexo de Gericinó. Até o momento ela não recebeu visitas

Por O Dia

Rio - A ex-primeira dama do Rio Adriana Ancelmo passou a primeira noite em seu novo endereço, a Cadeia Pública Joaquim Ferreira de Souza, no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu. Adriana está em uma cela — de seis metros quadrados — separada das outras detentas. A penitenciária é a mesma que seu marido, o ex-governador do Rio Sérgio Cabral, inaugurou em 2008.  

CONFIRA TAMBÉM: Justiça determina prisão de Adriana Ancelmo

Esposa de Cabral teve imóveis bloqueados na segunda-feiraAlexandre Brum / Agência O Dia

De acordo com a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap), Adriana Ancelmo está alimentada e passa bem. Nesta terça-feira, a ex-primeira dama teve a sua escolha no jantar — arroz ou macarrão, feijão, farinha, carne branca ou vermelha (carne, peixe, frango), legumes, salada, sobremesa e refresco —. Já na manhã desta quarta-feira, o café da manhã foi pão com manteiga e café com leite. Ela jantou e tomou café junto com as outras detentas.

Adriana Ancelmo presa é fotografada com uniforme da SeapDivulgação

Por ser advogada, a mulher de Cabral está em uma galeria especial. O local conta com nove celas e 18 vagas. Segundo a Seap, hoje o local só tem sete internas.

Adriana, acostumada com muito luxo e glamour, hoje está em uma prisão composta por: uma beliche de alvenaria, além de um chuveiro, uma pia e um vaso sanitário no chão.

A Seap informa que a nova detenta cumprirá as normas da unidade, como banho de sol. Além disso, ela terá direito a visitas que serão cadastradas e terão suas carteirinhas de visitante expedidas em um prazo de até quinze dias, procedimento esse que é feito para todos os internos. Até o momento, ela não recebeu visitas. Vale lembrar que a advogada tem direito a uma visitação extraordinária, segundo as normas da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária. 

Reportagem do estagiário Rafael Nascimento

 

Últimas de Rio De Janeiro