Mesmo sem ar, ônibus terão aumento em 1º de janeiro

Prefeitura define esta semana o percentual de reajuste da passagem

Por O Dia

Rio - Após polêmica se deixaria ou não o reajuste anual das passagens de ônibus do Rio para o próximo prefeito decidir, Eduardo Paes bateu o martelo que vai definir a nova tarifa, a valer a partir de 1º de janeiro de 2017, nesta última semana de sua gestão. O aumento seguirá o estabelecido nos contratos de concessão, apesar de a promessa de ter 100% dos coletivos com ar-condicionado não ter sido cumprida.

De acordo com a Secretaria Municipal de Transportes, números de novembro indicam que em média 68,03% das viagens são feitas em ônibus refrigerados. A meta, segundo o órgão, é atingir 70% até o fim do ano, daqui a quatro dias. A pasta não informou o número de veículos com ar. A Justiça, no entanto, não concorda com essa meta e entende que vale o acordo da prefeitura com o Ministério Público estadual, feito em 2012, que estabeleceu que 100% dos ônibus seriam refrigerados até 2016.

A decisão da Justiça prevê multa de R$ 20 mil por coletivo sem ar após o fim do ano. No início deste mês, a 2ª Câmara Cível negou o sétimo recurso da Prefeitura do Rio para a suspensão da multa.

A operação assistida da segunda linha do VLT%2C ainda sem passageiros%2C deve começar hoje%2C pela manhãEstefan Radovicz / Agência O Dia

Em janeiro de 2016, quando a tarifa passou a R$ 3,80, a prefeitura informou que o não cumprimento da meta no ano anterior, resultou em abatimento de R$ 0,015 do valor da passagem. Entretanto, foram adicionados à tarifa cobrada em 2016 R$ 0,039 para a instalação de refrigeração em mais ônibus neste ano.

Segundo o professor de Engenharia de Transportes da Uerj Alexandre Rojas, embora o aumento esteja previsto em contrato, deveria haver uma cobrança maior da prefeitura para que se cumprisse a exigência de uma frota refrigerada, além de itens mínimos de conforto e qualidade. 

“A fiscalização é muito frouxa. O que se tem a oferecer em contrapartida a esse aumento? Cabe à prefeitura exigir que as empresas atendam ao previsto”, disse.
Segundo sua assessoria de comunicação, o prefeito eleito, Marcelo Crivella só vai se posicionar após o dia 1º de janeiro, quando “quando analisará a questão da tarifa junto com técnicos da Secretaria de Transportes.

A equipe de Crivella confirmou o prefeito eleito pretende cumprir a meta de 100% de frota refrigerada. A Rio Ônibus, que representa as empresas de transporte, informou que não se posiciona a respeito do assunto porque a meta é responsabilidade da prefeitura.

Nova fase do VLT é adiada

A operação assistida da segunda linha do VLT (Veículo Leve sobre Trilhos) não começou ontem, conforme foi anunciado pela prefeitura. O motivo, segundo a Secretaria Municipal de Transportes, foi que a concessionária que opera o serviço não informou que seus funcionários estariam de folga de Natal. A previsão então é de que o primeiro dia de operação assistida do novo trecho do VLT seja hoje, entre as 7h e 10h da manhã.

O trecho tem dois quilômetros e liga o Saara à Praça 15, possibilitando a integração com barcas, trens e metrô. A operação assistida do VLT tem o objetivo de preparar a população para a circulação dos trens na região. Para isso, os veículos circulam sem passageiros. A previsão de inauguração da nova linha para passageiros é na segunda quinzena de janeiro. Os primeiros testes foram feitos nos dias 17 e 18 deste mês.

?Reportagem da estagiária Alessandra Monnerat

Últimas de Rio De Janeiro