Homem morre após confronto no Pavão-Pavazinho

Vítima foi ferida por estilhaços de granada arremessada por criminosos. Mais três pessoas também foram atingidas

Por O Dia

Homem é foi ferido por estilhaços de granada e%2C apesar de ter sido socorrido%2C não resistiuWhatsApp O DIA (98762-8248)

Rio - O faxineiro Fábio Franco de Alcântara, 38 anos, morreu atingido por um explosivo nesta quarta-feira durante confronto no Morro do Pavão-Pavãozinho, entre os bairros de Copacabana e Ipanema, na Zona Sul do Rio. De acordo com o comando da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Pavão-Pavãozinho/Cantagalo, policiais realizavam patrulhamento pela localidade do Serafim quando criminosos atiraram e arremessaram artefatos granadas contra os militares. Houve confronto e os bandidos fugiram. Na ação, quatro pessoas ficaram feridas, entre elas Fábio, que não resistiu aos ferimentos.

Francisco Custódio, conhecido como Arroz, 52 anos, ficou ferido por estilhaços. Ele estava em frente ao bar onde o Fábio foi atingido e disse só ter ouvido os tiros e uma explosão.

As vítimas foram levadas para o Hospital Municipal Miguel Couto, no Leblon. Os policiais continuam realizando ações de varredura em busca de suspeitos envolvidos no incidente e o policiamento está reforçado por outras UPPs e pelo Batalhão de Choque (BPChq).

A ocorrência foi registrada na 13ª DP (Ipanema) e posteriormente será encaminhada para a Divisão de Homicídios. Por conta do confronto, o comércio da Rua Sá Ferreira foi fechado. 

Mulher morre ao passar mal por conta do tiroteio

Além de Fábio, o confronto no Pavão-Pavãozinho fez mais uma vítima. Elisângela Gonçalves, 38 anos, passou mal por causa do confronto entre policiais e traficantes e morreu. A mulher sofreu um infarto e chegou a buscar atendimento na clínica da família da comunidade, foi atendida, mas morreu na unidade.

De acordo com a gerente do restaurante onde Elisangêla trabalhava, a vítima ficou desesperada devido ao tiroteio. "Ela passou mal na quarta-feira e pediu para ir embora. Depois disso precisou se afastar do trabalho para cuidar da saúde. Por volta das 10h30, recebi uma ligação falando da morte dela. Ela passou muito mal e ficou desesperada por causa do tiroteio. Estamos muito abalados. Era uma funcionária maravilhosa, super calma e trabalhadora", disse a gerente, Clenilda Alves de Oliveira, de 40 anos.

Mulher infarta e morre por conta de confronto no Pavão-PavãozinhoReprodução Internet

Segundo Clenilda, ela irá comprar as passagens para os pais de Elisangela, que moram no Ceará, virem ao enterro. O corpo de Elisângela ainda está dentro da clínica e aguarda a perícia para ser retirado do local. A mulher deixa três filhos: um menino de 3 anos e duas meninas, uma de 16 e outra de 18. 


Últimas de Rio De Janeiro