Mais Lidas

Chefe do tráfico do Jacarezinho é preso em mansão em Goiás

Moradores da comunidade têm vivido dias de terror. Um policial civil da Core foi morto em confronto na sexta-feira e outro baleado neste sábado

Por gabriela.mattos

Chefe do tráfico de drogas no Jacarezinho foi preso em mansão em GoiásDivulgação

Rio - O chefe do tráfico de drogas do Jacarezinho foi preso em uma mansão de luxo, na tarde deste domingo, em Luziânia, em Goiás. Conhecido como Roger do Jacarezinho, Nilson Roger da Silva de Freitas estava foragido desde 2010 e é apontado como um dos principais articulares de ataques a PMs da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP).

Roger era conhecido também como o "fantasma" da facção Comando Vermelho. O Portal dos Procurados oferecia uma recompensa de R$ 2 mil por quem desse informações sobre o chefe do tráfico.

Ele foi preso por agentes da Delegacia de Combate às Drogas (Dcod), 39ª DP (Pavuna) e da Polícia Civil do Distrito Federal no mesmo dia em que o policial civil Bruno Guimarães Buhler foi sepultado.

Bruno foi baleado no pescoço durante em um confronto com traficantes no Jacarezinho, na tarde de sexta-feira. O inspetor da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) chegou a ser socorrido para o Hospital Geral de Bonsucesso, mas não resistiu. 

Roger do Jacarezinho estava foragido desde 2010Divulgação

O agente era considerado um dos maiores atiradores de elite da Polícia Civil. Ele foi enterrado, neste domingo, no Cemitério Jardim da Saudade, em Sulacap, na Zona Oeste.

Já na noite deste sábado, outro agente da Core foi baleado. Marcelo Antônio Ventura Golpini foi atingido em tiroteio no Jacarezinho e levado também para o Hospital Geral de Bonsucesso. O estado de saúde dele era estável.

Terror no Jacarezinho

Os moradores da comunidade têm vivido dias de terror. Neste fim de semana, houve pelo menos 12 horas de tiroteio na favela. Através das redes sociais, vários relatos assustadores e vídeos mostrando o intenso tiroteio impressionam. Em imagens, diversas pessoas se escondem em muros na entrada da comunidade enquanto esperam o momento do cessar fogo e finalmente conseguirem ir para casa. Em outros, moradores se escondem durante o tiroteio.

A Polícia Civil, que realizou a operação na comunidade, não se pronunciou sobre o caso, nem disse se há baleados além do agente da Core, o que tem sido relatado por moradores. A UPP Jacarezinho também não informou como está a situação nesta manhã e nem se o policiamento está reforçado.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia