Mais Lidas

Bethlem mantinha contrato com Rio Ônibus. Veja entrevista exclusiva ao Informe

Segundo o ex-secretário, o acordo em nome de sua companhia BB Parcerias e Participações LTDA teve validade de fevereiro de 2015 a maio de 2017

Por karilayn.areias

Rio - Rodrigo Bethlem, que ontem teve a casa e o escritório revirados pela Polícia Federal por suspeita de corrupção envolvendo empresas de ônibus e a prefeitura, revelou com exclusividade ao Informe que mantinha um contrato com o Rio Ônibus. Diz que, em nome de sua companhia BB Parcerias e Participações LTDA, o acordo teve validade de fevereiro de 2015 a maio de 2017. “A polícia não vai achar meia dúzia de mensagens minhas com o Lélis Teixeira (presidente do Rio Ônibus, preso na Operação Ponto Final). Vai achar umas 600!”

Bethlem afirma que fazia diariamente análise de conjuntura política e econômica, além de desenvolver pesquisas de opinião para o sindicato das empresas de ônibus. “A cada mês, ficava duas horas à disposição para tirar dúvidas. Os contatos eram feitos por telefone ou presencialmente”, diz. O mesmo serviço também seria prestado a outras empresas.

Em posse da PF
Bethlem afirma que o contrato entre a BB Parcerias e Participações e o Rio Ônibus foi apreendido pela Polícia Federal em seu escritório. E que remeterá à PF os informativos que enviava a Lélis Teixeira. “Não havia relação espúria. Caso houvesse, não iria usar o nome da minha própria empresa, né? O contrato foi encerrado em maio. Alegaram contenção de despesa.”

Mensagens
Sobre a troca de mensagens com Lélis divulgada ontem, Bethlem mantém cautela. Diz que, como seu celular foi apreendido, e o conteúdo data de dezembro e janeiro, prefere não fazer comentários sem avaliar todo o contexto da conversa.

Vínculo com Paes
Secretário de Governo e de Ordem Pública na gestão de Eduardo Paes (PMDB), Bethlem afirma: “Quando fui contratado em 2015, não era mais vereador, não era mais secretário. Paes e eu já havíamos brigado e rompido. Como poderia haver interesse do Rio Ônibus em me contratar para obter vantagens na prefeitura se era público que o prefeito e eu não nos falávamos?”.

Vínculo com Crivella
Sobre o atual prefeito, Bethlem afirma: “Na época da assinatura do contrato, eu nem falava com o (Marcelo) Crivella (PRB). Todo mundo achava que o Paes, muito bem avaliado na ocasião, faria o sucessor. Ajudei voluntariamente o Crivella na eleição do ano passado porque vi uma alternativa ao PMDB. Não participei da transição e não participo do governo.”

Derrubou o aumento
Pedra no sapato de Crivella, o advogado Victor Travancas, que já entrou com mais de 40 ações contra a prefeitura, sai em defesa do desafeto: “No que pesem todas as críticas, foi o primeiro governante carioca em 24 anos a ir à Justiça para derrubar o aumento do preço das passagens pleiteado pelas empresas de ônibus. Isso comprova que não houve continuidade de práticas ilegais.”

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia