Por gabriela.mattos
PM recupera carga de cerveja avaliada em quase R%24 100 milDivulgação

Rio - Dois anos após bater o recorde no número de roubos de carga o Rio de Janeiro continua sendo o estado onde os bandidos mais ousam. Nem mesmo o reforço da Força Nacional foi suficiente para conter as investidas dos marginais. De janeiro a outubro deste ano, já foram registrados 8.508 casos. Os dados são do Instituto de Segurança Pública (ISP-RJ). 

Com roubos constantes, algumas localidades como o Chapadão, na Zona Norte e Vila Kennedy, na Zona Oeste, já se tornaram conhecidas pelas feiras de produtos roubados, principalmente bebidas, um dos focos das quadrilhas. Na tentativa de reduzir os números negativos a PM vem redistribuindo seus policiais por pontos estratégicos e neste final de semana o efeito positivo já pode ser percebido. 

No domingo, policiais militares do Batalhão de Policiamento em Vias Expressas (BPVE) conseguiram recuperar um caminhão frigorífico que havia acabado de ser roubado. O caso ocorreu na Avenida Brasil, altura de Irajá, na Zona Norte. Ao ser interceptado, um bandido que estava na cabine pulou do veículo e correu pela pista. Outros criminosos que faziam a escolta da carga em um Honda Civic, abandonaram o carro e fugiram a pé em direção ao conjunto Amarelinho, no Acari. De acordo com a assessoria da Polícia Militar, o motorista da carreta saiu ileso.

Diretor de Segurança do Sindicarga, Venâncio Moura, dia que a Justiça precisa ser mais rígida, já que a maioria dos envolvidos são reincidentes. "A Polícia prende, mas pouco tempo depois os assaltantes já estão na rua. Os casos de reincidência chegam a 80% e uma boa parcela deles, envolve menores de idade".

Há três meses, foi criado o Grupo Integrado de Enfrentamento ao Roubo de Carga. Formado pelas Polícias Rodoviária Federal, Militar e Civil, além de outros órgãos ligados à Secretaria Nacional de Segurança Pública e empresas privadas, o grupo discute um possível patrulhamento feito por motocicletas. Segundo Moura, que também faz parte do grupo, o custeio partiria das próprias empresas, maiores interessadas. "Estamos estudando essa possibilidade. O maior problema é o efetivo policial, pois o ideal seria 80 homens espalhados ao longo da Avenida Brasil, principal ponto de atuação dos bandidos", disse.

No sábado, agentes do 16º BPM (Olaria) recuperaram uma carreta de cerveja avaliada em quase 100 mil reais, na comunidade Kelson, na Penha, também na Zona Norte da cidade. No mesmo dia, policiais do 12º BPM (Niterói) conseguiram recuperar uma carga de refrigerantes na comunidade Boa Vista, em Niterói, Região Metropolitana. Em nenhuma das ações houve prisão. 

Já na noite de sexta-feira, agentes da Delegacia de Roubos e Furtos de Cargas (DRFC) recuperaram um caminhão roubado na comunidade Beira Rio, em Vigário Geral. Os policiais conseguiram encontrar o veículo após receberem denúncias. Ao chegarem no local, eles foram atacados pelos bandidos. O motorista, que estava sendo feito refém, também foi resgatado, porém, os criminosos conseguiram fugir. No mesmo dia, a Polícia Civil já havia efetuado a prisão de Edgar de Fátima Ribeiro, o Deda. Chefe de um bando que atua em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, Loirinho, como também é conhecido, teria ligações com traficantes da Nova Holanda e da Vila Kennedy. Segundo a polícia, bandidos das duas comunidades seriam responsáveis pelo empréstimo de armas para a investida do grupo.

Em nota, a Polícia Militar informou que realiza policiamento ostensivo e preventivo contra ações criminosas. Ainda segundo a assessoria, os patrulhamentos estão sendo planejados de acordo com o numero de ocorrências em cada região. Ou seja, áreas onde o número de roubos tem se tornado mais constante vem recebendo uma atenção maior. 

O policiamento, que em algumas ocasiões é feito em parceria com a Polícia Rodoviária Federal e a Delegacia de Roubos e Furtos de Cargas, é intensificado em ações de abordagem e fiscalização de trânsito com objetivo de reduzir essas ações criminosas.

?Reportagem de Renan Schuindt

Você pode gostar