Mais Lidas

Goteiras prejudicam ensino em escola do Complexo da Maré

Salas alagadas obrigam professores a fazer rodízio de aulas entre as turmas

Por ASSINATURA REPÓRTER

Unidade municipal tem infiltrações e fica com salas inundadas
Unidade municipal tem infiltrações e fica com salas inundadas -

Infiltrações e goteiras nas salas provocadas pela falta de manutenção no telhado da Escola Municipal Professor Josué de Castro, no Complexo da Maré, obrigam turmas a fazerem rodízio, com aulas dia sim, dia não.

"Trabalho na escola desde 2011, e o problema do telhado já existia, só que era mais brando. Com o passar do tempo, foi se agravando, as rachaduras aparecendo ou aumentando e as goteiras viraram verdadeiras torneiras em dias de chuva. A cada ano uma nova sala alagava até chegar ao ponto em que estamos hoje", contou uma funcionária que preferiu não se identificar.

"São sete salas que estão sem aulas, além de duas que estão inutilizadas desde o ano passado", completou. Em agosto, uma foto de alunos em sala com guarda-chuvas repercutiu nas redes sociais. O problema se repete quando há novos temporais na cidade.

A Secretaria Municipal de Educação explicou que a queda de uma árvore sobre o telhado, durante o temporal da semana passada, é a causa das goteiras. A pasta garantiu que, hoje, equipes da Comlurb vão substituir as telhas quebradas. Técnicos também farão levantamento sobre necessidade de obras estruturais na escola.

"O rodízio interfere diretamente no meu trabalho, já que em algumas turmas dou mais aulas que em outras", reclamou um professor.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários