Cinco caminhões-tanques são liberados no Rio para abastecer BRT

O secretário de Segurança, general Richard Nunes, responsabilizou a concessionária do BRT pela demora na realização da escolta do combustível

Por O Dia

Hoje dia 26 de maio de 2018 o BRT está fora de circulação por estar sem combustível por causa da paralização dos Caminhoneiros. Estações Alvorada fechada sem circulação de BRT, com os veívulos parados no pátio da estação. Foto: Daniel Castelo Branco / Agência O Dia
Hoje dia 26 de maio de 2018 o BRT está fora de circulação por estar sem combustível por causa da paralização dos Caminhoneiros. Estações Alvorada fechada sem circulação de BRT, com os veívulos parados no pátio da estação. Foto: Daniel Castelo Branco / Agência O Dia -

Rio - Sem confrontos nem embates com os manifestantes, o Batalhão de Choque (BPChq) conseguiu ultrapassar o bloqueio e fazer a escolta de cinco caminhões-tanques na BR-040, na região da distribuidora Raizen, da Shell, ao lado da Refinaria Duque de Caxias (Reduc), na Baixada Fluminense.

Cada caminhão-tanque tem capacidade de transportar 40 mil litros de óleo diesel. Segundo a PM, o combustível transportado irá para o sistema de ônibus BRT, que atende a 450 mil passageiros diários e ficou paralisado ao longo deste sábado.

O secretário de Segurança, general Richard Nunes, responsabilizou a concessionária pela demora em escoltar combustível para abastecer o BRT, em entrevista ao RJ TV, da TV Globo. "O BRT solicitou (nesta sexta) escolta para cinco cisternas. As cisternas não puderam sair por problema de pagamento, problema deles. Quando resolveram, fizemos", disse Nunes.

Em nota, o Consórcio BRT informou que 'não faz compras de combustível, não tem tanque para estocar combustível e desconhece qualquer falta de pagamento'. Paralelamente, a empresa anunciou que 28 ônibus articulados começaram a rodar, a partir das 17h deste sábado, e que os demais coletivos voltarão a circular dependendo do abastecimento. Neste sábado, as linhas 11 (Santa Cruz X Alvorada Parador), 35 (Madureira X Alvorada Parador), 50 (centro Olímpico X Jardim Oceânico Parador)  e 51 (Vila Militar X Terminal Recreio Parador) estão rodando. Os serviços do eixo da avenida Cesário de Melo e do trecho entre Madureira e Galeão permanecem interrompidos.

À noite, o consórcio informou que o sistema vai com 56 articulados (menos de 20% da frota) para atender a população neste domingo. A partir das 4h, vão funcionar os serviços 10, 12, 21A, 35, 50 e 51.

No corredor Transoeste:

Linha 10 - Santa Cruz X Alvorada Expresso, Linha 12 - Pingo D'Água X Alvorada Expresso e Linha 21 A - Recreio X Jardim Oceânico Parador. Os intervalos variam de 10 a 15 minutos

No corredor Transcarioca:

Linha 35 - Madureira X Alvorada Parador. Os intervalos são de 10 minutos

No corredor Transolímpica:

Linha 50 - Centro Olímpico X Jardim Oceânico Parador e Linha 51 - Recreio X Vila Militar Parador. Os intervalos variam d e 10 a 20 minutos

Escoltas garantidas

O secretário garantiu que todas as escoltas solicitadas para transporte de combustível estão sendo atendidas. "Trabalhamos mediante demanda,  estamos a postos aguardando os pedidos. Esse é o nosso papel. Tudo que for solicitado, será escoltado." Ele disse que por volta de 12h40 deste sábado, a Rio Ônibus fez um pedido de escolta para o transporte de combustível destinado aos ônibus convencionais. No horário, a frota operava com apenas 23% da capacidade.

"Estamos ativados com o Gabinete de Crise desde ontem. Fizemos dezenas de escoltas. Já transportamos para a Comlurb, para a Cedae, até para o aeroporto de Campos. Levamos combustível até a fronteira com o Espírito Santo para atender o estado vizinho. Fizemos muito", disse Nunes.

Na saída do comboio da Reduc, os manifestantes fizeram um cordão de isolamento, permitindo a passagem dos veículos. De mãos dadas e em posição oficial, eles cantaram o Hino Nacional. Antes, foi negociado com o comando do Batalhão de Choque a liberação dos caminhões-tanques.

A liberação para a circulação dos caminhões-tanque só foi possível porque os manifestantes fizeram uma assembleia. Na votação, venceu a proposta de autorizar a passagem dos veículos porque o objetivo é atender à população.

O trânsito, na região da Refinaria de Duque de Caxias (Reduc) está parcialmente liberado. Por ordem dos manifestantes, passam ônibus, vans e veículos particulares. Os caminhões, no entanto, ainda estão retidos. Motoristas e motociclistas particulares, em geral, passam pela rodovia e buzinam em apoio ao protesto dos caminhoneiros.

Últimas de Rio de Janeiro