Justiça nega prorrogação de prazo para climatização dos ônibus no Rio

Decisão, do dia 21 de junho, é da 8ª Vara de Fazenda Pública, com base em pedido do Ministério Público (MPRJ). Prefeitura do Rio pedia adiamento até a conclusão e operação das obras do BRT Transbrasil

Por O Dia

Para o MP, 100% da frota da cidade já deveria estar climatizada
Para o MP, 100% da frota da cidade já deveria estar climatizada -

Rio - A Justiça do Rio negou à Prefeitura do Rio a prorrogação do prazo para a climatização de 100% da frota dos ônibus. A decisão, do dia 21 de junho, é da 8ª Vara de Fazenda Pública, com base em pedido do Ministério Público (MPRJ), através da Assessoria de Atribuição Originária em Matéria Cível e do Grupo de Atuação Especializada em Meio Ambiente (GAEMA/MPRJ). A Prefeitura do Rio pedia adiamento até a conclusão e operação das obras do BRT Transbrasil. 

No ação revisional proposta, a Prefeitura do Rio questionava a responsabilidade por não ter climatizado 100% da frota até 31 de dezembro de 2016, conforme determinado por acordo celebrado com o MPRJ e homologado por sentença em fevereiro de 2014, na gestão de Eduardo Paes. Além de apontar os sucessivos adiamentos das obras do BRT Transbrasil, o município também argumentava que a crise econômico-financeira também impossibilitou o cumprimento do acordo no prazo.

A 8ª Vara de Fazenda Pública da Capital entendeu que os sucessivos adiamentos das obras e da operação do BRT Transbrasil são fatos atribuídos à própria gestão municipal, a quem faltou "coordenação e planejamento". A decisão destaca que o município não poderia se valer de atrasos causados por si próprio para se isentar da obrigação de climatizar a integralidade da frota no prazo fixado no acordo.

Sobre a  "crise econômico-financeira", que o MPRJ sustenta já ter sido arrecado recurso tarifário suficiente para climatizar mais do que a integralidade da frota, o juiz entendeu que o município não apresentou qualquer prova neste sentido.

"Para caracterizar a impossibilidade de substituição de todos os ônibus por veículos com ar condicionado até o final de 2016, não bastaria ao Município apontar os efeitos deletérios da grave crise econômica sobre os usuários e as concessionárias do serviço”, diz a sentença.

Com a decisão, o Ministério Público prosseguirá na execução do acordo homologado para o rápido cumprimento da climatização integral. Serão realizados atos judiciais de coerção e constrição, como o aumento das multas já fixadas e devidamente executadas contra o município e autoridades públicas. Também será considerada a possível intervenção no contrato de concessão das linhas de ônibus, medida já requerida pelo MP desde o segundo semestre do ano passado e que será reapreciada pelo Judiciário dentro dos próximos dias. Uma audiência está marcada para o próximo dia 19 de julho.

Procurada, a Prefeitura do Rio disse que ainda não foi intimada da decisão da 8ª Vara de Fazenda Pública. 

 

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia