Quase metade dos ônibus da cidade do Rio continua sem ar

Auditoria aponta problemas de conservação e irregularidade de motoristas

Por O Dia

47% da frota de ônibus na cidade está sem ar-condicionado
47% da frota de ônibus na cidade está sem ar-condicionado -

Rio - Um dia após a nova tarifa de R$ 3,95 entrar em vigor na cidade do Rio, uma auditoria da Controladoria-Geral da prefeitura mostrou que ainda há diversos problemas estruturais no sistema de transporte da cidade, como 47% da frota sem ar-condicionado e falta de informação nos pontos.

O estudo, divulgado nesta quinta-feira, foi realizado com 36 voluntários nas linhas de ônibus em atividade. A falta de estrutura nos pontos, como informação de percursos e abrigos, foi uma das reclamações. Em 28% das viagens, os motoristas não pararam corretamente nos locais de embarque e desembarque.

Já a refrigeração nos veículos, prometida pelo prefeito Marcelo Crivella até 2020 em novo cronograma, foi constatada só em 53% das viagens. "O motorista derretia de calor", relatou um dos voluntários da pesquisa, que usou o serviço do consórcio Transcarioca, que atende a Zona Oeste.

Em relação ao estado do veículo, em 55% do total de deslocamentos foi considerado bom. A limpeza, entretanto, não agradou em 37% das viagens. Um dos voluntários contou que o ônibus estava "cheio de baratas".

No quesito educação, 83% dos motoristas obtiveram avaliação positiva, mas 85% não utilizaram cinto de segurança. "Motorista foi grosseiro com passageiros. Xingava o trânsito, falava palavrões e dirigia perigosamente", afirmou um dos voluntários no relatório, que utilizou uma linha de ônibus de Santa Cruz. Um dado positivo foi o equipamento para cadeirantes, encontrado em 94% dos coletivos do município.

Executada em 878 viagens dos consórcios Internorte, Intersul, Santa Cruz e Transcarioca, a auditoria pretende alertar a Secretaria Municipal de Transportes (SMTR) sobre o não cumprimento de regras e leis estabelecidas em contrato pelas empresas. A pasta deve informar até sexta-feira quais providências serão tomadas em relação a pesquisa.

Comentários

Últimas de Rio de Janeiro