Família de grávida morta em São Paulo pedirá guarda de bebê recuperado em Caxias

Criança é portadora de sífilis; delegado do caso disse que suspeitos deram uma facada no pescoço da vítima

Por Paloma Savedra e Marianna Lopes*

Menina foi resgatada por policiais em Caxias e levada para hospital
Menina foi resgatada por policiais em Caxias e levada para hospital -

Rio - A família da grávida morta em Paraibuna, no Estado de São Paulo, após sofrer cesariana forçada, quer a guarda do bebê. A criança, do sexo feminino, foi recuperada pela polícia do Rio de Janeiro em uma favela de Duque de Caxias, Baixada Fluminense, na manhã deste sábado. O casal apontado como autor do crime foi preso no local e, segundo os investigadores, tinha planos de ficar com a recém-nascida.  

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde de Caxias, o bebê segue internado no Hospital Municipal Dr. Moacyr Rodrigues do Carmo. A criança é portadora de sífilis congênita, conforme laudos de exames feitos na unidade.

A secretaria informou ainda que "o bebê já iniciou o tratamento para combater a doença". O hospital "aguarda os resultados de outros exames realizados na criança, mas que seu estado de saúde se mantém clinicamente estável". Além disso, ainda não são permitidas visitas por orientação da Justiça.

O Tio da vítima — Leila dos Santos, de 39 anos — contou que já cuida de outros dois filhos da sobrinha. A jovem, segundo ele, era usuária de drogas, e chegou a ser internada em clínica de reabilitação por duas vezes.

"Ela saiu de lá, e toda vez que tentei ajudá-la novamente e interná-la, ela fugia. Eu e minha mãe, que é avó dela,  que cuidamos das crianças. Agora, queremos muito ficar com o bebê e dar amor à criança. Não tem motivo de a Justiça não conceder a guarda para a gente", declarou ele, que não quis se identificar. 

Morador de São José dos Campos, em São Paulo, ele também afirmou que pretende ir à cidade de Duque de Caxias esta semana para conhecer o bebê. "Assim que puder, irei ainda esta semana. Minha mãe, avó da Leila, que a criou, pois os pais dela são falecidos há muito tempo. Ela não merecia isso... era uma boa menina, o problema era a dependência das drogas", lamentou. 

Facada no pescoço

De acordo com a polícia, a criança foi retirada do útero de Leila em uma cesariana forçada. Os suspeitos foram identificados como Nicolas Diniz Lopes Caetano, de 21 anos; e Maria Theresinha Generoso Rodrigues Vieira, de 33 anos. O corpo da mulher foi encontrado parcialmente carbonizado em 6 de julho, perto de uma represa de Paraibuna. A vítima tinha uma cicatriz na barriga. Ao lado do corpo, foram encontrados resíduos que aparentavam ser placenta.

O delegado de Paraibuna, Raian Araújo, que está à frente do caso, revelou ao DIA que, após retirarem o bebê do útero da vítima, o homem e a mulher a mataram com uma facada no pescoço. Ainda segundo o delegado, o casal tinha planos de ficar com o bebê.

"A cesariana feita na mãe do bebê foi com uma faca, logo após a mataram com uma facada no pescoço, no meio do mato perto do lago onde o corpo foi encontrado", contou.

A prisão temporária do casal foi decretada pela Justiça de São Paulo em 11 de julho. Os dois foram localizados depois de Maria Theresinha ser identificada tentando registrar a criança, sem documentos, em um cartório de Paraibuna.

O delegado ressaltou que os dois podem responder pelos crimes de homicídio qualificado, ocultação de cadáver e parto suposto - devido à tentativa de registro do bebê. Somadas, as penas podem passar de 30 anos de prisão.

Ele está detido na carceragem da seccional de Jacareí e ela na carceragem feminina da Delegacia de Santa Branca. As investigações continuam pela Delegacia de Paraibuna.

*Estagiária sob supervisão de Paloma Savedra

Últimas de Rio de Janeiro